Neil Young remove músicas dele de serviços de streaming

Compositor alega não concordar com a qualidade do material oferecido aos fãs

Redação Publicado em 16/07/2015, às 10h58 - Atualizado às 11h32

O músico folk canadense Neil Young
Evan Agostini/AP

Na última quarta, 15, o músico Neil Young anunciou a retirada de todas as músicas dele de serviços de streaming. Além de condenar os contratos oferecidos pelas empresas aos artistas, Young alegou não concordar com a qualidade do material que é oferecido aos fãs, citando esta como a razão para ter tomado a decisão.

Saiba quem são as cinco pessoas mais poderosas no mundo do streaming musical.

A lenda do folk é um dos defensores de serviços de streaming que privilegiem a qualidade sonora, por isso, promove o reprodutor digital de áudio Pono. Apesar do recente lançamento de plataformas que dialogam com a proposta defendida por Young, como o Apple Music e o Tidal, o artista manteve o boicote. “O streaming acabou para mim. Espero que meus fãs estejam de acordo com isso”, escreveu o cantor no Facebook.

Rolling Stone elegeu os 100 maiores guitarristas de todos os tempos: veja a lista.

Envolvido em uma discussão sobre o pagamento de direitos autorais, Young afirmou que a decisão não tem relação com os contratos oferecidos pelas empresas. “Não é por causa de dinheiro, apesar de o repasse para os artistas terem sido reduzidos substancialmente”, explica. “O problema é a qualidade do som. Não preciso que a minha música seja desvalorizada por um serviço de má qualidade. Não acho certo oferecer isso aos meus fãs. Faz mal para a minha música”, completa o cantor.

Galeria: as mais polêmicas, absurdas e ultrajantes autobiografias do rock; entre elas, a de Neil Young.

“Para mim, a intenção é fazer e distribuir música que as pessoas ouçam e sintam, eu defendo isso. Quando a qualidade for retomada, vou reavaliar a proposta. Nunca diga nunca”, finaliza Young.