Por que Zack Snyder acha 'justo' Martin Scorsese não gostar de filmes de super-heróis?

Em entrevista ao The Guardian, Zack Snyder falou sobre o comentário de Martin Scorsese sobre filmes de super-heróis

Itaici Brunetti Publicado em 21/05/2021, às 11h52 - Atualizado às 12h17

None
Zack Snyder (Foto: Getty Images / Mike Coppola / Equipe)

Em 2019,Martin Scorsese gerou polêmica no mundo da sétima arte ao declarar que filmes de super-heróis não eram considerados "cinema". No entanto,Zack Snyder, responsável por alguns títulos recentes da DC, disse que acha "justo" a opinião do diretor de Taxi Driver e O Irlandês

"Sim, é justo", respondeu Zack Snyder a um fã em matéria do The Guardian. "Martin Scorsese é um gênio e, se você é realmente bom em alguma coisa, comentar sobre esse mundo está completamente dentro de seus direitos. Isso não diminui meu respeito por ele.", completou.

+++LEIA MAIS: Continuação de 300 seria um romance gay, revela Zack Snyder

Diretor dos filmes de super-heróis O Homem de Aço (2013), Batman Vs Superman: A Origem da Justiça (2016) e Liga da Justiça de Zack Snyder (2021), Zack Snyder ainda brincou sobre a opinião de Scorsese: "Tenho certeza de que ele não estava falando sobre os meus filmes. Pode até ter sido, mas gosto de pensar que não. Ele se referia a outros."

Na época, Martin Scorsese falou o seguinte sobre filmes da Marvel à Empire: "Isso não é cinema. Sinceramente, o mais próximo que consigo pensar sobre eles, por mais bem-feitos que sejam, com atores fazendo o melhor que podem nas circunstâncias, são nos parques temáticos. Não é o cinema de seres humanos tentando transmitir experiências emocionais e psicológicas para outro ser humano."

+++LEIA MAIS: Quais são os super-heróis da Marvel favoritos de Zack Snyder?

Após a repercussão, Martin Scorsese argumentou em artigo do The New York Times: "Para mim, para os cineastas que passei a amar e respeitar, para meus amigos que começaram a fazer filmes na mesma época que eu, o cinema era sobre revelação. Uma revelação estética, emocional e espiritual. Era sobre personagens; sobre a complexidade das pessoas e suas naturezas contraditórias e às vezes paradoxais." 

As informações são do Entertainment Weekly.


+++ SUPLA: 'NA ARTE A GENTE TEM QUE SER ESPONTÂNEO' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL