Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Notícias / Luto

Regina King fala sobre morte do filho: 'A tristeza nunca irá embora'

A atriz vencedora do Oscar perdeu o filho, Ian Alexander Jr. em janeiro de 2022, o músico cometeu suicídio

Ian Alexander Jr. e Regina King (Foto: Emma McIntyre/Getty Images for LACMA)
Ian Alexander Jr. e Regina King (Foto: Emma McIntyre/Getty Images for LACMA)

A vencedora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Se a Rua Beale Falasse (2018), Regina King, deu a primeira entrevista para um programa de televisão após a morte do filho, Ian Alexander Jr. O músico se suicidou em janeiro de 2022, aos 26 anos. A atriz foi ao Good Morning America nesta quinta, 14, e disse que é “uma pessoa diferente agora.” 

“O luto é uma jornada, você sabe. Entendo que o luto é um amor que não tem para onde ir”, disse ela. “Sei que é importante para mim homenagear o Ian na totalidade de quem ele é, falar dele no presente, porque ele está sempre comigo e pela alegria e felicidade que ele deu a todos nós.”

+++LEIA MAIS: Vencedor do Oscar, Zona de Interesse ganha data de estreia no Prime Video

“Quando se trata de depressão, as pessoas esperam que tenha uma determinada aparência — esperam que pareça pesada”, disse a atriz. “Ter que vivenciar isso e não poder ter tempo para apenas aceitar a escolha de Ian, que eu respeito e entendo… Ele não queria mais estar aqui, e isso é uma coisa difícil para outras pessoas aceitarem porque elas aceitaram, não vivemos nossa experiência, não vivemos a jornada de Ian.”

Ao final da entrevista, King falou que no período inicial do luto, “estava com muita raiva de Deus”. “Por que esse peso seria dado a Ian? De todas as coisas pelas quais passamos — terapia, psiquiatras, programas — e Ian disse, 'Estou cansado de conversar, mãe'”, disse.

+++LEIA MAIS: 'I’m Just Ken' cresce 956% na Deezer após apresentação icônica de Ryan Gosling no Oscar

Ela acrescentou que "às vezes, muita culpa toma conta de mim. Quando um pai perde um filho, você ainda se pergunta: 'O que eu poderia ter feito para que isso não acontecesse?' Eu sei que compartilho essa dor com todos, mas ninguém mais é mãe do Ian, sabe? Só eu. Então é meu. E a tristeza nunca irá embora. Sempre estará comigo.”