Roger Waters critica organização de show beneficente para a Venezuela

O evento, que terá apresentação de vários astros do pop latino, acontece na próxima sexta, 22

Redação Publicado em 20/02/2019, às 08h55

None
Roger Waters (Foto:GDA via AP Images)

Na próxima sexta, 22, acontece o evento beneficente Aid Live Venezuela, organizado pelo CEO da empresa VirginRichard Branson. O dinheiro arrecadado será voltado à compra de alimento e medicamentos para a população venezuelana.

Na última terça, 19, Roger Waters usou sua conta no Twitter para se posicionar sobre o assunto: “Tanto a Cruz Vermelha quanto a ONU concordam que não se deve politizar eventos beneficentes. Deixem o povo venezuelano exercer seu direito de autodeterminação. Não tem nada a ver com ajuda humanitária”, criticou.

O conceito de autodeterminação define que todo país tem o direito de se autogovernas e determinar seu próprio estatuto político, sem intervenção externa.

O músico e ex-Pink Floyd criticou a iniciativa organizada pelo bilhonário norte-americano, e questionou se “realmente queremos que a Venezuela se torne um novo Iraque, Síria ou Líbia”, países marcados pela intervenção violenta do exército estadunidense.

Branson defendeu o evento, e disse que o governos dos Estados Unidos não teve envolvimento algum com a organização do show. De acordo com um comunicado oficial do grupo Virgin, “Richard está ajudando a conscientizar as pessoas sobre a crise” que acontece no país sul-americano, e acrescenta: “Não é uma declaração política”.

O presidente Nicolás Maduro negou que a Venezuela esteja passando por uma crise humanitária, e fechou a fronteira para evitar um possível golpe orquestrado pelos EUA e, por isso, o evento vai acontecer na cidade colombiana de Cúcuta, que faz divisa com a Venezuela.

Até a última terça, 32 artistas latinos já confirmaram presença no Aid Live, entre eles Alejandro Sanz, Luis Fonsi e a banda Maná.