"Sabíamos que as pessoas compreenderiam nosso som um dia", diz vocalista do Pink Industry

Grupo de Jayne Casey fará seu primeiro show em 25 anos neste sábado, 28, em São Paulo

Bruno Raphael Publicado em 28/01/2012, às 08h36

Jayne Casey
Divulgação

"Levou muito tempo, mas sabíamos que as pessoas compreenderiam um dia", define a vocalista Jayne Casey sobre os 25 anos que separam o último show do Pink Industry, um remanescente do experimentalismo oitentista inglês que voltará à vida neste sábado, 28, em apresentação única no Cine Joia, em São Paulo. "Esta é a razão pela qual o Pink Industry continua interessante para as pessoas: ainda continua bem atual."

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

Surgido no início dos anos 80, o Pink Industry foi uma das primeiras bandas na Inglaterra a experimentar com a música eletrônica e flertar com o que, posteriormente, seria conhecido como dance music. Consistindo na maior parte de sua existência em Jayne e no baixista Ambrose Reynolds, o Pink Industry já contou com a participação de muitos outros músicos, como Tadzio Jodlowski, que no show do Cine Joia terá um substituto de luxo: Daniel Hunt, do grupo Ladytron. "Estamos tão empolgados, é incrível!", se empolga Jayne. "É tão espetacular voltar e ainda termos um integrante do Ladytron conosco, tocando guitarra com a gente."

Bem humorada, Jayne só demonstra seriedade quando o assunto é a relevância do Pink Industry para a evolução da música. "Após o Pink Industry, eu fui uma das fundadoras do Cream, um clube de dance music, e lá eu compreendi exatamente sobre o que aquilo se tratava", descreve, culpando o fim da banda pelo alto tom experimental, que fugia à regra da sonoridade de contemporâneos como o New Order. "Nós quase chegamos lá com o Pink Industry, em alguns dos ritmos. Mas nós tinhamos noção que estávamos em uma posição difícil naquela época, porque nossa música era difícil e havia muitas coisas que eu ainda queria fazer como artista. Eu acho que em discos como Low Tecnology (1983) havia muito da sonoridade que antecipou o que veio com a dance music dez anos depois."

"Eu não me arrependo de nada!", prossegue a cantora, sempre terminando as frases com uma risada. "Agora, podemos revisitar tudo com maior compreensão. Vai ser incrível estar no palco em São Paulo, tocando para as pessoas que sacam a gente... porque quase nunca tocamos para pessoas que nos entendiam! [risos]"

A produção eletrônica do show do Pink Industry também terá uma novidade: Ra Cole, DJ filho de Jayne, ficará responsável pelas batidas. "É engraçado. Meu filho sempre esteve nos ensaios do Pink Industry e, quando ele tinha por volta de quatro anos, ele já achava que era parte da banda. E agora ele é o controlador!"

Sobre o futuro, Jayne despista. "Estamos fazendo, inicialmente, pelo prazer de tocarmos juntos", diz. "Mas amo compor músicas. Obviamente, a partir do momento que aquela luz se acende em você, você pensa: ‘Eu tenho de escrever!’ Então, quem sabe?"

Pink Industry no Cine Joia

28 de janeiro, a partir das 22h30

Endereço: Praça Carlos Gomes, 82

Preços: R$ 50 (1º lote - Esgotado) / R$ 70 (2º lote) / R$ 90 (3º lote)

Onde comprar: http://www.facebook.com/cinejoia