Woody Allen nega ter molestado a filha, diz que as acusações são “ridículas” e critica Mia Farrow

“Eu a amava e espero que um dia ela entenda que teve um pai amoroso”, escreveu o diretor em carta publicada por jornal norte-americano

Redação Publicado em 08/02/2014, às 12h42 - Atualizado às 12h49

Woody Allen
Louis Lanzano/AP

O diretor Woody Allen escreveu uma carta, publicada no jornal The New York Times, em resposta às acusações abuso sexual contra a filha adotiva Dylan Farrow, quando esta tinha 7 anos de idade.

Mia Farrow e o filho Ronan atacam Woody Allen após homenagem no Globo de Ouro

“É claro que eu não molestei Dylan”, escreveu o cineasta. “Eu a amava e espero que um dia ela entenda que teve um pai amoroso e que foi explorada por uma mãe mais interessada em sua própria raiva purulenta do que no bem-estar de sua filha”.

Allen diz que as acusações são “ridículas” e aponta que elas são resultado de uma batalha de custódia entre ele e a ex-esposa, Mia Farrow, com quem ele manteve um relacionamento de 12 anos e terminou em 1992.

Advogado de Woody Allen diz que acusação de pedofilia é “uma história engendrada por uma amante vingativa”

As acusações surgiram pela primeira vez no ano seguinte ao término, mas o cineasta nunca foi preso. Na carta, Allen relembrou os resultados de um estudo feito pela Clínica de Abuso Sexual Infantil do Hospital de Yale-New Haven, nos quais, de acordo com ele, foi concluído não ter ocorrido abuso sexual.

O diretor afirma que Dylan era uma “criança emocionalmente vulnerável” e que “foi treinada ou influenciada pela mãe”.