Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Mulher-Hulk: Roteiristas não podem 'pegar pesado' com Marvel em piadas; entenda

Mesmo com restrições, roteiristas de Mulher-Hulk conseguiram emplacar piada com virgindade de Capitão América

Redação Publicado em 25/08/2022, às 11h56

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Cena de Mulher-Hulk: Defensora de Heróis (Foto: Reprodução/Disney+)
Cena de Mulher-Hulk: Defensora de Heróis (Foto: Reprodução/Disney+)

Mulher-Hulk: Defensora de Heróis, série do Universo Cinematográfico Marvel (MCU) no Disney+, tem diversas piadas sobre a franquia. No entanto, segundo a roteirista Jessica Gao, os outros escritores da produção não podiam "pegar pesado" com brincadeiras sobre esse universo de heróis.

Durante entrevista ao IGN, Jessica Gao comentou como a Marvel Studios estava geralmente aberta ao senso de humor da equipe de roteiristas, mas o estúdio precisou colocar certas limitações nas cenas cômicas. "Na maioria das vezes, as únicas piadas que eles realmente nos forçaram a tirar foram quando estávamos sendo um pouco malvados quando zombávamos coisas da Marvel."

+++LEIA MAIS: Mulher-Hulk: Produção da série não teve 'liberdade' com traje de Demolidor; entenda

Embora Marvel Studios possa não ter dado sinal verde para todas as piadas sugeridas para Mulher-Hulk, a série estrelada por Tatiana Maslany já estabeleceu o que Gao descreveu como um tom "sexo-positivo" e "exagerado." O primeiro episódio do seriado apresentou uma piada sobre a virgindade de Capitão América (Chris Evans), e culminou em uma revelação pós-créditos que diversos fãs consideraram "hilária."


Mulher-Hulk: Por que origem da personagem não é igual às HQs?

Mulher-Hulk estreou no Disney+ em agosto e trouxe primeira aparição da personagem no MCU. No entanto, origem de Jennifer Walters foi alterada para a série, e a roteirista JessicaGao explicou motivos em entrevista ao Inverse (via Omelete).

+++ LEIA MAIS: She-Hulk: Tim Roth elogia atuação de Tatiana Maslany: 'Incrível'

Segundo Gao, a decisão partiu tanto dos executivos como da sala de roteiristas. A origem original também seria violenta demais para o tipo de série que a companhia pretendia apresentar ao público.

Walters apareceu nos quadrinhos pela primeira vez em 1979. Ela é filha de um delegado de polícia de Los Angeles, Estados Unidos, inimigo de Nicholas Trask - um chefe do crime. Em armadilha feita para o pai, Jen foi baleada. Para sobreviver, recebeu transfusão de Bruce, o que a transforma na Mulher-Hulk.

+++ LEIA MAIS: She-Hulk: Por que CGI da série está ruim? Site responde

"Teríamos que escrever todo o contexto, não poderíamos apenas largar isso. Realmente queríamos seguir, sem gastar meia hora explicando os motivos disso acontecer. A parte interessante é assistir essa mulher lidar com tudo isso, tentar processar," argumentou Gao.

Para evitar a violência e o tempo gasto para explicar a origem igual das HQs, roteiristas encontraram solução mais simples. O sangue de Bruce e Jennifer se misturou após acidente de carro.

+++LEIA MAIS: Mulher-Hulk: Roteirista precisou cortar cenas por baixo orçamento em série do Disney+

Apesar de menos crível em um primeiro momento, história adotada pela série se encaixa mais na personalidade de Banner. O cientista provavelmente se recusaria a fazer uma transfusão de sangue, sabendo da possibilidade de infectar a prima com a radiação que o transformara na criatura verde.

"Para mim, isso não soaria condizente com o Bruce Banner que nós conhecemos," Gao completou.

+++LEIA MAIS: Capitão América morreu virgem no MCU? Mulher-Hulk responde