Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / "Pesadelo"

"Pesadelo": membros da produção de Queer Eye denunciam clima "terrível" de bastidores

Ao menos 10 profissionais ligados à produção do reality da Netflix revelaram a tensão nos bastidores do programa e denunciaram comportamento de Jonathan Van Ness nos bastidores: 'um monstro'

Elenco de Queer Eye na divulgação da primeira temporada (Divulgação)
Elenco de Queer Eye na divulgação da primeira temporada (Divulgação)

Poucos meses após Bob Berk de Queer Eye surpreender com a decisão de deixar o reality da Netflix, a Rolling Stone apurou dificuldades envolvendo a personalidade dos apresentadores - especialmente de Jonathan Van Ness, o memorável beauty artist do programa.

Destaque na Netfix por oito temporadas, Queer Eye gira em torno de cinco homens LGBTQIAPN+, empenhados em emprestar suas habilidades específicas para ajudar pessoas comuns a ressignificarem suas vidas.

Bobby Berk, Tan France, Antoni Porowski, Jonathan Van Ness e Karamo Brown (Divulgação)

Desde a estreia, em 2018, dezenas de participantes receberam ajuda do quinteto, composto por Karamo Brown, especialista em cultura, relações sociais e interação; Tan France, stylist, responsável pela transformação a partir do estilo; Antoni Porowski, expert em comida e vinho; além de Berk - empresário e designer de interiores, responsável pela decoração de ambientes - e de Van Ness - beauty artist dedicado à transformação estética de participantes.

O programa ampliava e renovava o formato de outro reality, Queer Eye For The Straight Guy, de 2003, e acabou sendo um sucesso instantâneo, alçando os apresentadores - conhecidos como Fab Five - a novas alturas em sua carreira. Com a fama, porém, teria vindo também alguns atritos e conflitos de ego, que acabariam expostos com a saída, aparentemente repentina, de Berk.

Procuradas pela Rolling Stone, ao menos 10 fontes ligadas à produção revelariam detalhes polêmicos de bastidores envolvendo os cinco apresentadores - e especialmente Jonathan Van Ness, que estaria no centro de diversos conflitos.

+++ LEIA MAIS: Segundas Intenções completa 25 anos: 25 curiosidades sobre o filme

"Um pesadelo"

Jonathan Van Ness, ou JVN, é o beauty artist e especialista em grooming, famoso por seu jeito expansivo, por desafiar convenções de gênero, pelos cabelos longos e pelo carisma, que o tornou, sem exageros, o maior destaque dentre os cinco membros do Fab Five. Nos bastidores, porém, fontes consultadas pela Rolling Stone revelaram o quanto seria difícil de trabalhar com ele.

Quatro membros da produção de Queer Eye classificaram Van Ness como "um monstro", "um pesadelo" ou "degradante", relembrando que trabalhar com ele seria "terrível". Outros três disseram à revista que o apresentador era emocionalmente "abusivo" e que teria "acessos de raiva". Todos concordaram que o astro teria ataques recorrentes a membros da produção.

Jonathan Van Ness (Foto: Bryan Bedder/Getty Images for GLAAD)

"Existe um sentimento real de medo quando elu fica bravo. É quase como um desenho em que [a raiva] vaza delu", revelou uma fonte. Outra disse que ele seria "intenso e assustador". Outra ainda recordou que os episódios de explosão aconteceriam pelo menos uma vez por semana. Procurado pela revista várias vezes, Jonathan Van Ness não comentou as acusações.

"Jonathan é uma pessoa que contém multitudes, com a capacidade de ser muito caloroso e muito carismático, a capacidade de fazer você sentir-se muito especial quando elu presta atenção em você", disse uma fonte. "Mas ao menos uma vez por dia, elu precisa gritar com alguém. Pode ser por algo pequeno, mas alguém sempre vai ser apontado e culpado como o vilão do dia."

Segundo a publicação, ao menos duas fontes teriam dito que o comportamento de Van Ness teria sido determinante para a dissolução do Fab Five, com alguns membros do grupo - incluindo Berk - recusando-se a gravar cenas com o beauty artist.

"Sempre havia uma tensão absoluta entre todos, especialmente de Jonathan Van Ness", revelou um membro da produção. "Ele não queria dividir os holofotes com ninguém. Algumas vezes não era possível gravar cenas com certos membros dos Fab Five porque o negócio ficava feio."

A reportagem ainda teria apurado que Van Ness é acusade de falta de profissionalismo, com mudanças de humor que ditavam o ritmo da produção.

"Por melhor que ele quisesse fazer ao mundo, acho que rolava muita hipocrisia", disse uma fonte. "Existe um contraste entre os princípios e valores que Jonathan defende publicamente", ela continua, citando a diferença entre o carinho e o cuidado defendidos pelo beauty artist em público e a forma como ele tratava as pessoas ao seu redor.

Segundo a reportagem, executivos da Netflix teriam procurado Van Ness em ao menos uma ocasião para falar de seu comportamento e de seu tratamento para com a produção, mas com pouco ou nenhum efeito prático.

O futuro de Queer Eye

Ainda que reconheçam que o elenco teria se dado bem instantaneamente no início das gravações do reality, as fontes da Rolling Stone afirmam que os apresentadores teriam chego a 2023 com uma relação meramente cordial - além de Berk e Van Ness, Tan France também teria tido conflitos de interesse com outros membros do Fab Five.

Os Fab Five (Divulgação)

E, ainda que o programa tenha garantido 11 Emmys ao longo das últimas oito temporadas, a relação deteriorada entre os apresentadores e conflitos nas agendas de produção colocariam uma dúvida sobre a possibilidade da Netflix de cumprir com um contrato que estenderia o programa por outras quatro temporadas. Procurados pela Rolling Stone, Berk, Van Ness, Brown, France e Porowski não comentaram ou não responderam a reportagem.