Cinema, TV e teatro possuem desigualdades de gênero 'vergonhosas', segundo pesquisa

Levantamento foi feito pelo The Women in Theatre Forum Report

Redação Publicado em 20/01/2021, às 11h51

None
Petra Costa (Foto: Reprodução/Instagram)

Uma pesquisa feita pelo The Women in Theatre Forum Report aponta que cinema, TV e teatro possuem desigualdades de gênero "vergonhosas". O levantamento reuniu dados de várias organizações e revelou diversos níveis de desigualdade de gênero nas artes, como falta de papéis de liderança, disparidade salarial e intimidação. A informação é do NME.

A pesquisa também falou que a falta de representação nas artes deveria ser "levada a sério" e pediu para a Cultural Renewal Taskforce and Arts Council (na tradução livre "Força-Tarefa de Renovação Cultural"), do governo da Inglaterra, lidar com essa disparidade urgentemente.

+++LEIA MAIS: Anne Hathaway explica por que odeia que a chamem de Anne

Outro trecho do relatório expões que "zero cargos de liderança são ocupados por mulheres", enquanto elas são forçadas a recusar certos trabalhos no teatro, cinema e televisão devido às responsabilidades de cuidar. Em dados, 16% dos diretores em atividade são mulheres e 14% das produções no horário nobre da TV são escritas por mulheres.

Além disso, mulheres também relatam que se sentem pressionadas a "ter uma certa aparência", assim como recebem menos dinheiro em relação aos colegas homens. Também foi exposto uma rotina de bullying e intimidade física inadequada no local de trabalho.

Sphinx Theatre é uma das organizações envolvidas na pesquisa. Sue Parrish, diretora artística, falou que toda essa situação é "vergonhosa". "Eles poderiam estar aproveitando a oportunidade para que novos caminhos fossem estabelecidos e representassem toda a cultura e a sociedade, mas falharam. É surpreendente que uma força-tarefa do governo possa estar tão atrasada e certamente iremos buscá-los", disse ela ao The Guardian.

+++LEIA MAIS: O dia em que Bruce Springsteen 'invadiu' Graceland para conhecer Elvis Presley

Maureen Beattie, atriz e presidente da Equity, adicionou: "Comecei na empresa em 1971 e estou lutando as mesmas batalhas que enfrentei naquela época. É endêmico que as mulheres estejam sob mais escrutínio e sejam vistas como não tão boas. É o mesmo sexismo. Melhorou, mas não desapareceu."

"Se as pessoas ignorarem isso agora, não sei o que vamos fazer a seguir. Somos submetidos a muitos acenos e sorrisos, mas isso não leva a nada. Precisamos de ação", finalizou.

Já um porta-voz do Department of Digital, Culture, Media and Sport disse: "Estamos totalmente comprometidos em garantir um setor cultural diversificado e inclusivo e temos falado com mulheres de uma ampla gama de organizações culturais em toda a pandemia para ajudar a compreender o impacto sobre a industria."


+++ PÉRICLES | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes