Como um processo contra Led Zeppelin pode afetar Ed Sheeran?

Ambos os artistas estão sendo processados por plágio, e caso contra banda corre há décadas

Amy X. Wang / Rolling Stone EUA Publicado em 05/07/2019, às 16h53

None
Ed Sheeran e Led Zeppelin (Foto: AP)

Na música, os dois maiores processos atuais são por violação de copyright movidos contra Ed Sheeran e Led Zeppelin - e agora o resultado de um depende completamente do outro. 

Nesta semana, um juiz de Manhattan cancelou o julgamento jurídico marcado para setembro no caso contra “Thinking Out Loud” de Ed Sheeran, dizendo que quer primeiro esperar a resolução do caso de“Stairway to Heaven” do Led Zeppelin

+++ LEIA MAIS: Há 37 anos: Led Zeppelin enfrentava acusações de satanismo em Stairway To Heaven 

Os herdeiros de Ed Townsend processaram Sheeran em 2016, alegando que a música “Thinking Out Loud”, de 2014, pegou a maior parte de sua harmonia e ritmo de “Let’s Get It On”, música de Marvin Gaye lançada em 1973, co-escrita por Townsend. 

Led Zeppelin, por outro lado, está enrolado em um caso que dura há anos, movido pela banda Spirit, da Califórnia, que garante que a abertura de “Stairway To Heaven”imita “Taurus”, de 1968. Mesmo que os dois casos não tenham ninguém em comum envolvidos, suas semelhanças na natureza e na linha do tempo, além de nível de visibilidade, causaram a pausa. 

+++ LEIA MAIS: Como a era do streaming está salvando Led Zeppelin e outras bandas antigas do esquecimento? 

O juíz do caso Townsend/Sheeran, Louis Stanton, disse nesta semana que as duas partes deviam “tirar umas férias” e que ele vai os chamar quando o caso de Spirit-Zeppelin for decidido, de acordo com o Law360. Se “Stairway to Heaven” - que tem audiência marcada para setembro depois de ser jogado para lá e para cá por anos - chegar à Suprema Corte dos EUA, significa que o caso “Thinking Out Loud” poderia ser adiado para 2020. 

Plágio na música tem casos extremamente meticulosos, e com frequência se arrastam por anos sem chegar perto de resultados. Enquanto Robin Thicke e Pharrell Williams precisaram pagar quase US$ 5 milhões em um acordo para o nome de Marvin Gaye em 2018 por causa de “Blurred Line”, música da dupla de 2013, um número de casos em menor escala tentando processar grandes sucessos não deram em nada, e até mesmo o caso Spirit/Zepp foi dado como acabado por um juiz há três anos. (Reviveu quando o advogado recorreu, e uma nova corte garantiu que o juiz antigo não entendeu a lei de direitos autorais).

Tudo isso é para dizer que  há inúmeras maneiras para o caso “Thinking Out Loud” terminar. Sheeran já fechou um acordo por outro de seus hits, “Photograph”, no valor de US$ 20 milhões em 2017. 

+++ SESSION ROLLING STONE: Cynthia Luz acredita no amor puro com "Não Sou Sem Nós"