Ex-baterista do Black Sabbath, Bill Ward anuncia nova banda, Day of Errors

Fora do grupo de Ozzy Osbourne em turnê de despedida, músico promete canções pesadas com novo trio

Rolling Stone EUA Publicado em 07/06/2016, às 12h34 - Atualizado às 12h41

Bill Ward - Home - 600 X 600
Image Collect

O ex-baterista do Black Sabbath, Bill Ward, formou uma nova banda, chamada Day of Errors. O grupo é o primeiro projeto dele desde o lançamento do álbum Accountable Beasts, em 2015, com a Bill Ward Band.

Em nota na página dele no Facebook, Ward descreveu a sonoridade do Day of Errors: “Tocamos alto e com isntensidade, com abertura para partes muito, muito pesadas”. O grupo conta com Ward na bateria e voz, Joe Amodea na guitarra e voz e Nick Diltz (do All Hail the Yeti) como principal vocalista e baixista.

O trio ainda tem a adição do percussionista Walter Earl e do filho de Ward, Aron, nos teclados. O ex-baterista do Black Sabbath não revelou detalhes dos planos imediatos do Day of Errors, e encerrou o comunicado dizendo: “Mais informações virão.”

LEIA TAMBÉM

Black Sabbath fará três shows de despedida no Brasil

Saiba mais sobre a polêmica entre Bill Ward e o Sabbath

[Entrevista] Bill Ward tem muito o que desabafar

O novo grupo de Ward é criado ao mesmo tempo em que a antiga banda dele, o Black Sabbath, prepara-se para embarcar na última sequência de shows da carreira. O baterista e a banda se separaram de maneira conturbada em 2012, antes de o Sabbath gravar o disco derradeiro, 13, com Brad Wilk (do Rage Against the Machine) tomando conta das baquetas.

Com Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Geezer Butler, o Black Sabbath tocará em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Curitiba, entre novembro e dezembro deste ano. Assim como nos shows no Brasil em 2013, a banda não terá Ward, mas sim o baterista da carreira solo de Osbourne, Tommy Clufetos.

A exclusão de Ward já gerou muita polêmica, com o vocalista tendo dito que o baterista estaria “incrivelmente acima do peso” e sem condições de fazer turnê. Na ocasião, Ward disse que queria um “contrato assinável”, mas as negociações falharam.