José Serra é denunciado pela Lava Jato acusado de lavagem de dinheiro; entenda a operação da PF

O senador é suspeito de receber dinheiro da Odebrecht e participar de um esquema lavagem de dinheiro transnacional

Redação Publicado em 03/07/2020, às 10h09

None
José Serra (Foto: Getty Images / Pool / Equipe)

O senador José Serrafoi denunciado pelo Ministério Público Federal por lavagem de dinheiro transnacional, segundo informações da Folha de S. Paulo. A operação Revoada foi acionada e irá cumprir oito mandados de busca e apreensão em imóveis São Paulo e no Rio de Janeiro, incluindo o do político do PSDB.

O empresário José Amaro Pinto Ramos e Verônica Serra, filha do senador e alvo da operação ao lado do pai, tiveram empresas com nomes ocultos fora do Brasil, que serviram para receber transferência da Odebrecht.

+++ LEIA MAIS: Jornal Nacional desmente Jair Bolsonaro após fala sobre a Amazônia ao Mercosul

"Milhões de reais foram pagos pela empreiteira por meio de uma sofisticada rede de offshores no exterior, para que o real beneficiário dos valores não fosse detectado pelos órgãos de controle”, descreve o documento oficial.

Ele continua: "Neste contexto, realizaram numerosas transferências para dissimular a origem dos valores, e os mantiveram em uma conta de offshore controlada, de maneira oculta, por VerônicaSerra até o final de 2014, quando foram transferidos para outra conta de titularidade oculta, na Suíça."

De acordo com delações premiadas, Ramos foi lobista e parceiro dos integrantes do PSDB, mas como os crimes foram cometidos em 2007, eles foram prescritos - ou seja, perderam o tempo de validade para receber punição. 

+++ LEIA MAIS: Bolsonaro responde ‘sai daqui’ para apoiadora que questiona 38 mil mortes por coronavírus

Governador de São Paulo entre os anos de 2007 e 2010, Serraé acusado de usar a “influência política” dele para conceder favores aos envolvidos nas obras da Rodoanel Sul em troca de receber dinheiro da Odebrecht, entre os anos de 2006 e 2007.

Os documentos afirmam que o esquema foi mantido até 2014, porém, dois anos depois, os crimes de Serra até 2010 foram prescritos. 

As denúncias também mencionaram inúmeras vezes Paulo Vieira de Souza, que é suspeito de usar o nome Paulo Preto para atuar junto com os tucanos e receber propina nas obras da estatal de rodovias Dersa, além de dar “evidências de que agia em nome de José Serra e subordinados seus, como Aloysio Nunes Ferreira [ex-senador e ministro]”.


+++ RAEL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO