Morre Agnaldo Timóteo aos 84 anos, vítima de Covid-19

Os médicos acreditam que o cantor foi infectado entre a primeira e segunda dose da vacina

Redação Publicado em 03/04/2021, às 17h55

None
Agnaldo Timóteo (Foto: Reprodução /Twitter)

O cantor Agnaldo Timóteo morreu neste sábado, 3, aos 84 anos de idade, vítima de Covid-19. A notícia foi confirmada pela assessoria do músico em um comunicado oficial. (Via CNN Brasil)

"É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do nosso querido e amado AgnaldoTimóteo. Agnaldo Timóteo não resistiu as complicações decorrentes do Covid-19 e faleceu hoje às 10:45 horas. Temos a convicção que Timóteo deu o seu melhor para vencer essa batalha e a venceu! Agnaldo Timóteo viverá eternamente em nossos corações!"

+++LEIA MAIS: Todo o mal que o kit-Covid pode te causar: Ivermectina, hidroxicloroquina e azitromicina não são eficazes para prevenir vírus

Timóteo estava internado no Hospital São Bernardo, no Rio de Janeiro, desde o dia 17 de março. No dia 27 de março, o músico foi intubado para realizar o tratamento contra o coronavírus de forma mais eficaz, segundo o G1

O cantor chegou a receber as duas doses da vacina contra a Covid-19, mas os médicos desconfiam que a doença foi contraída no período entre a aplicação da primeira e da segunda dose do imunizante. 

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes

Origens e vida antes da fama

Nascido em Caratinga, em Minas Gerais, em 1936, Agnaldo Timóteo se apresentava em circos itinerantes e programas de calouros enquanto mantinha o emprego de torneiro mecânico aos 16 anos, em Governador Valadares.

Mais tarde, Timóteo decidiu investir na carreira de cantor ao se mudar para Belo Horizonte, onde ficou conhecido como "Cauby mineiro", por fazer versões da músicas de Cauby Peixoto. 

+++LEIA MAIS: Os males ocultos do Covid: queda de cabelo, pensamentos suicidas, problema na pele e mais

Antes de fazer sucesso, o músico passou pelos mais diversos empregos, como motorista do produtor Kléber Lisboa e a cantora Ângela Maria, a "Rainha do Rádio", que incentivou a carreira artística dele. 

Carreira artística  

Em 1961, Timóteo gravou o primeiro disco e começou uma trajetória marcada por releituras de canções de outros cantores, como "Mamãe", de Charles Aznavour, e "Meu grito”, de Roberto Carlos

+++ LEIA MAIS: Número de negros vacinados contra Covid-19 é quase metade dos brancos imunizados no Brasil

Ave-Maria”, “Verdes campos” e “A galeria do amor” são outros destaques da carreira dele, segundo o G1. No total, o músico lançou mais de 50 discos e acumulou mais de 100 mil ouvintes no Spotify.

De acordo com o Splash, o cantor tinha um show marcado em Santa Rita de Cássia, na Bahia, o qual foi desmarcado após Timóteo sentir os primeiros sintomas da Covid-19.

+++LEIA MAIS: Como a Covid-19 afeta o cérebro? Neurologistas respondem

Vida política 

Em 1982, Timóteo entrou para a vida política e foi escolhido como deputado federal pelo PDT do Rio de Janeiro, de acordo com a CNN Brasil. Na década seguinte, o músico integrou o PDS após ter conflitos com Leonel Brizola e concorreu ao governo do Rio de Janeiro. 

Com a derrota, tentou novamente a vitória como deputado federal em 1994 e conseguiu se juntar à Câmara no ano seguinte. Em 1996, Timóteo se tornou integrante do comissões de Viação e Transportes e de Direitos Humanos, além de ter sido votado como vereador do Rio de Janeiro. 

+++LEIA MAIS: Bolsonaro menospreza recorde de óbitos por Covid-19: 'Em todo local está morrendo gente'

Nos anos 2000, o músico se filiou ao Partido Progressista em São Paulo, onde foi eleito vereador em 2004 e reeleito em 2008. Quatro anos depois, Timóteo deixou a vida política após não conseguir ser eleito novamente. 


Homenagens 

Agnaldo Timóteo recebeu diversas homenagens nas redes sociais de artistas, políticos e personalidades brasileiras. 


+++ KONAI: 'ESTAMOS EM PRESSÃO CONSTANTE PARA SER O QUE NÃO É NOSSO NATURAL' | ENTREVISTA