Morrissey vangloria Prince e critica a Rainha Elizabeth em comunicado

“Prince é a realeza que as pessoas amam, enquanto Elizabeth 2 é a pressão nas pessoas que nunca foram perguntadas se queriam ou não queriam ela”, escreveu o ex-Smiths

Rolling Stone EUA Publicado em 25/04/2016, às 12h56 - Atualizado às 13h10

Morrissey vive momento catártico em São Paulo e faz homenagem às vítimas de ataque terrorista na França.
Fabrício Vianna

Morrissey escreveu um tributo a Prince, no qual o ex-vocalista do Smiths integralmente vangloria o músico – morto na última quinta, 21, aos 57 anos –, critica a família real britânica e milita a favor do veganismo em comunicado de três parágrafos.

A postagem, feita no site de fãs dele, o True-to-You, traz Morrissey reclamando de que de todas as coisas pelas quais nos lembraremos de Prince – a influência na música, moda, filmes, habilidade com a guitarra, produtividade – a dieta vegana dele é a última na lista.

“Prince influenciou o mundo mais do que imaginamos, e de alguma maneira a vida da música dele está apenas começando, e ele deve ser agradecido não apenas por humanos, mas também pelos animais, por viver a vida como ele viveu”, escreveu Morrissey.

LEIA TAMBÉM

[Galeria] Relembre a carreira de Prince em fotos marcantes

[Flashback] Em 2004, Prince fez solo de guitarra impressionante no Hall da Fama

[Análise] Prince nunca esteve satisfeito – e sabotou a própria carreira por causa disso

O cantor também ficou chateado que a notícia da morte de Prince tenha sido encoberta no Reino Unido pela constante cobertura da mídia do 90º aniversário da Rainha Elizabeth, da Inglaterra.

“Prince, que fez alguma coisa da vida para ser oposto a ter uma fortuna dada a ele, é muito mais ‘real’ que Elizabeth 2, e sua falta será lamentada muito mais do que a dela, porque ela nunca vai conseguir se fazer amada, não importa quantos paguem e promovam não-matérias dela nos jornais do mundo”, acrescentou ele.

Morrissey ainda concluiu: “Prince é a realeza que as pessoas amam, enquanto Elizabeth 2 é a pressão nas pessoas que nunca foram perguntadas se queriam ou não queriam ela.”