Casa de Buffalo Bill, de O Silêncio dos Inocentes, está disponível para hospedagem; entenda

O filme clássico acaba de completar 30 anos

Brenna Ehrlich | Rolling Stone EUA. Tradução: Marina Sakai | @marinasakai_ sob supervisão de Yolanda Reis Publicado em 18/02/2021, às 17h57

None
O Silêncio dos Inocentes (foto: reprodução Orion Pictures)

O clássico filme de terror O Silêncio dos Inocentes (1991) acabou de completar 30 anos — e você agora pode celebrar com uma estadia no lar de Buffalo Bill. (Em uma cama, não em um poço no porão.)

A casa na Pensilvânia (EUA) foi colocada à venda em outubro de 2020 e comprada em fevereiro de 2021 por quase US$ 300 mil, de acordo com o Instagram do corretor de imóveis. O novo dono é Chris Rowan, diretor artístico e estilista de adereços.

Rowan comprou a residência para dar tours aos fãs de terror, usar como local de filmagens e oferecer hospedagem e alimentação. A casa ainda não está aberta para passeios ou pernoites, mas esses recursos estão próximos de serem disponibilizados. 

+++LEIA MAIS: 5 curiosidades sobre O Silêncio dos Inocentes, clássico do terror [LISTA]

“Minha paixão por filme, minha profissão e ‘algo maior’ me deram a oportunidade de comprar a casa de Buffalo Bill,” diz Rowan no site oficial do local. “Tenho muitas ideias para preservar a história e compartilhá-la com todos os que amam ela tanto quanto eu. Espero vê-los em breve para desfrutar de feijão-fava e um bom chianti [vinho que faz parte de uma brincadeira no filme]!”

O roteirista Ted Tally conversou com a Rolling Stone EUA recentemente sobre o filme, relembrando a “dança nua” infame de Buffalo Bill, a qual foi improvisada pelo ator Ted Levine. “Estava tão chocado quanto todos quando o vi enfiando seus órgãos genitais entre as pernas e posando,” disse. “Pensei, ‘Meu Deus.’ Quando Jodie viu, ela disse, ‘Isso é muito perturbador.’ Essa é a ideia. Certamente o piercing no mamilo não estava no script.”


+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++ HUNGRIA HIP HOP: 'SOU APEGADO EM SORRISOS QUE A MÚSICA PODE LEVAR' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL