O florescer (e manifestar) da cena independente no Disco De Quintal [REVIEW]

Criado pela Lagunitas Brasil, o Disco De Quintal com Beeshop (projeto de Lucas Silveira), Ana Cañas, Raquel, Jadsa, Dead Fish e Sugar Kane chegou às plataformas digitais

Isabela Guiduci Publicado em 16/11/2021, às 12h00

None
Chuck, Capilé e Jadsa (Foto: Murilo Amancio) | Ana Cañas (Foto: Vitor Peracetta) | Lucas Silveira (Foto: Vitor Peracetta)

Ele está entre nós! O Disco De Quintal, EP criado pela Lagunitas Brasil, chegou oficialmente às plataformas digitais nesta terça, 16 de novembro, com finalidade de celebrar a cena brasileira da música independente - e atendeu às expectativas. Protagonizado por grandes nomes nacionais, o projeto é um lembrete da potência maravilhosa da produção artística musical no Brasil.  

Com quatro canções inéditas - de Dead Fish, Raquel (fundadora e ex-integrante d'As Baías), Sugar Kane e Jadsa - e duas releituras, de Beeshop (Lucas Silveira), e Ana Canãs, o EP produzido por Chuck Hipolitho e Alexandre Capilé (sócios do Estúdio Costella) apresenta múltiplas sonoridades da cena independente brasileira: do pop ao rock. 

+++LEIA MAIS: Do quintal ao Brasil: a celebração do cenário brasileiro independente em um EP exuberante; conheça o Lagunitas De Quintal [ENTREVISTA]

O convite à dança e à celebração da música nacional, em todas as suas formas, está presente ao longo das seis faixas que compõem o projeto, seja pelas guitarras frenéticas ou sintetizadores enérgicos. É a partir de um diálogo carregado de memórias e sentimentos que se constrói a narrativa musical do Disco De Quintal.

Criado em um espaço que remete ao quintal, o EP foi gravado no Estúdio Forno, em São Paulo, o qual recebeu os músicos e bandas ao longo de dez dias de gravação. A estrutura caseira do local reforça a característica da história da Lagunitas (fundada em um quintal) e a ideia intimista do projeto. 

+++LEIA MAIS: Dead Fish chega aos 30 anos mais necessário do que nunca: 'Nosso trabalho é contestar o fascismo' [ENTREVISTA]

A voz deslumbrante de Jadsa conduz a faixa "Não Estou Aqui" e inicia essa experiência musical. Para ecoar a lírica de um modo impressionante, há uma harmonia autêntica que complementa a interpretação espetacular da cantora. Assobios e gritos acrescentam essa combinação excepcional: "Minha boca quando fala, descarrega," diz a artista nessa abertura festiva. 

Em sequência, está a única faixa do disco cantada em inglês, "You’ll Never Change." A canção é parte da trajetória de Beeshop, projeto solo do vocalista da banda Fresno, Lucas Silveira; uma releitura da faixa era um pedido frequente dos fãs que acompanham essa discografia - e o pedido foi atendido para compor o EP da Lagunitas.

+++LEIA MAIS: As Baías chegam ao fim após 6 anos de carreira

Embora a canção já seja de conhecimento do público, "You’ll Never Change" ganha uma nova identidade para a versão do Disco De Quintal, mas mantém a aura intimista. A música chega às plataformas digitais com uma interpretação potente e sincera de Lucas Silveira.

"Luta Sem Fim," inédita do Sugar Kane para o Disco de Quintal, apresenta o melhor do rock com uma sonoridade apoiada em um riff de guitarra inebriante e em uma bateria enfática. A grandiosidade da banda fica explícita com a envolvente faixa, tomada por inquietação e energia. "Não fica calado, cultivando o passado," a lírica deixa de alerta. 

+++LEIA MAIS: Rosa Neon anuncia fim da banda com ode à amizade em 'A gente é demais': 'Cada um conseguiu sugar algo positivo da pessoa ao lado' [ENTREVISTA]

A quarta música, "Aos Sobreviventes," é um recado pós-pandêmico fortíssimo embalado pelo som icônico característico do Dead Fish. Como sugere o título da faixa, a canção soa como uma carta aberta aos sobreviventes da pandemia: "Por mais encontros, menos tristeza, mais clareza, menos certeza após o luto destruidor."

Em meio às estruturas musicais do rock e com um riff de guitarra de arrepiar, a música também faz uma crítica ácida ao capitalismo: "Essa merda nos matou por tanto tempo." Sem dúvidas, com a faixa inédita, o Dead Fish traz sua marca atemporal ao Disco De Quintal e reforça a referência artística da banda no cenário nacional. 

+++ LEIA MAIS: Tuyo é a banda que você deveria parar o que está fazendo e escutar agora [ANÁLISE]

"Urubu que não canta, come a própria garganta," canta Ana Cañas no projeto da Lagunitas Brasil. A versão gloriosa de "Urubu Rei," faixa de 2012 da cantora, revive o melhor da cena brasileira com estruturas musicais bem-construídas - e a voz potente de Ana Cañas completa o frescor da releitura. 

Cantora, compositora, fundadora e ex-integrante d’As Baías, Raquel é a responsável por "Câmera Lenta," faixa escolhida para encerrar essa celebração da música independente brasileira. Com um tom sensualmente cósmico e excêntrico, a paisagem sonora da canção leva o ouvinte para o universo pop dançante da faixa. Nessa viagem, a artista expõe a potência vocal em uma interpretação fabulosa.

+++LEIA MAIS: Lucas Silveira entrevista Zander e Zander entrevista Lucas Silveira - e juntos lançam 'Desalento' [ENTREVISTA]

Em uma festa de rock, pop e brasilidades, acompanhado de grandes nomes da música nacional, o Disco De Quintal já está disponível em todas as plataformas digitais.