5 clichês de comédias românticas que Legalmente Loira desconstruiu [LISTA]

Estrelado por Reese Witherspoon, Legalmente Loira completou 20 anos em 2021

Julia Harumi Morita Publicado em 13/07/2021, às 15h23

None
Reese Witherspoon em Legalmente Loira (Foto: Reprodução /Twitter)

Lançado no dia 13 de julho de 2001, Legalmente Loira tinha tudo para ser uma comédia romântica cheia de clichês infiltrados com discursos machistas e sexistas, os quais se tornariam ultrapassados em alguns anos.

Porém, o filme decidiu desconstruir diversos estereótipos ao apostar no girl power muito antes da perspectiva feminista ganhar popularidade nas produções do gênero cinematográfico.

+++LEIA MAIS: Friends, Game of Thrones e How I Met Your Mother: 11 casais tóxicos que o público ama - mas não deveria [LISTA]

Estrelado por Reese Witherspoon, o longa-metragem conta a história da estudante de Moda Elle Woods, que, após levar um fora do namorado Warner Huntington III (Matthew Davis), decide provar o valor dela ao entrar para o curso de Direiro em Harvard.

Duas décadas depois do lançamento, o filme se mantém atual e até mais inovador do que muitas obras lançadas nos anos 2000 e 2010.

+++LEIA MAIS: Por que é importante repensar no machismo em séries antigas como Friends e How I Met Your Mother? [ANÁLISE]

Em homenagem ao aniversário de 20 anos de Legalmente Loira  nesta terça, 13, a Rolling Stone Brasil  relembrou cinco clichês de comédias românticas desconstruídos pelo filme. Confira:

Linda, loira e (genuinamente) legal

Um dos primeiros estereótipos evitados pelo filme é o da 'loira malvada', o qual esteve presente em O Diário da Princesa(2001) e foi perpetuado por Regina George em Meninas Malvadas (2004). Elle é genuinamente legal e se importa com todos ao redor dela - não é à toa que a estudante era queridinha da irmandade Delta Nu.

+++ LEIA MAIS: A Barraca do Beijo 2: 9 clichês adolescentes que não aguentamos mais em 2020


Beleza vs. inteligência

Apesar de gostar de moda, adorar rosa e segurar uma bolsa com um pequeno cachorro dentro - símbolo clássico das patricinhas de Hollywood -, Elle não se deixa levar pelo clichê de garota superficial. A personagem não hesita em anunciar a decisão dela de estudar Direito e abre mão de momentos de conforto para conquistar a vaga dela em Harvard ou caso do professor Callahan.


Rivalidade feminina

Elle não simpatiza com Vivian Kensington (Selma Blair) no início do filme, mas a personagem não transforma a colega de classe em um alvo. Apesar dos conflitos causados por Warner, as duas estudantes compartilham elogios e desabafos, os quais resultam em uma amizade duradoura.

+++ LEIA MAIS: As melhores séries da Netflix ‘para pegação’, segundo estudo nada científico


Mulheres guiadas por homens

Algumas comédias românticas são protagonizadas por mulheres, mas são guiadas pelos personagens masculinos. A Barraca do Beijo 2 (2020) é um exemplo atual de filme com protagonista motivada, aconselhada e salva por homens.

Elle decide entrar em Harvard para impressionar Warner, mas, depois de perceber como nunca será boa o suficiente para o ex-parceiro, ela decide continuar o curso para se descobrir. Além disso, a professora Elspeth Stromwell (Holland Taylor) é responsável pelo conselho definitivo que leva a protagonista a lutar pela carreira dela.

+++ LEIA MAIS: Revolução teen na Netflix: séries adolescentes invadem o serviço de streaming


Final feliz ao lado do verdadeiro amor

Um dos grandes diferenciais de Legalmente Loira é o final, o qual não foca na nova relação de Elle com Emmett Richmond (Luke Wilson), mas na formação da estudante de Direito.


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL