Ator de Hagrid defende comentários transfóbicos de J.K. Rowling

Robbie Coltrane falou sobre os tuítes publicados pela autora em junho

Redação Publicado em 15/09/2020, às 17h38

None
J.K. Rowling (Foto: John Phillips / Getty Images)

Grande parte da equipe e elenco de Harry Potter se posicionaram contra a série de comentários transfóbicos feitos nas redes sociais pela autora da saga, J.K. Rowling. Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint e Eddie Redmayne rebateram os comentários da escritora. 

No entanto, agora, o ator de Hagrid, Robbie Coltrane, defendeu Rowling em relação aos tuítes publicados pela autora em junho em uma nova entrevista. As informações são do Consequence of Sound.

+++LEIA MAIS: Daniel Radcliffe rebate comentários transfóbicos de J.K. Rowling: ‘Sinto que devo dizer algo’

Em entrevista à Radio Times, via NME, Coltrane disse sobre a situação: “Não acredito que o que ela disse foi realmente ofensivo. Não sei o motivo, mas há toda uma geração de pessoas no Twitter esperando para serem ofendidas”, afirmou o ator. 

Ele continuou: “Esse sou eu falando como um velho rabugento [...] Não quero me envolver nisso tudo por causa de todo o ódio e toda essa merd*, que não preciso na minha vida”, concluiu.

+++LEIA MAIS: Como J.K. Rowling pode estragar o legado de Harry Potter?

Em junho, J.K.Rowling questionou um artigo por usar o termo “pessoas que menstruam” ao invés da palavra “mulheres” e disse: “Eu respeito todos os direitos das pessoas trans de viverem do jeito que sentirem autênticas e confortáveis. Eu vou marchar com vocês, se vocês fossem discriminados por serem trans. Ao mesmo tempo, minha vida foi moldada por ser mulher. Não acredito que seja ódio dizer isso”.

Ainda, após os comentários transfóbicos feitos nas redes sociais, J.K. Rowling está recebendo críticas negativas pelo conteúdo do novo livro dela, Troubled Blood - a obra apresenta um homem cis que se veste de mulher para assassinar mulheres cis. As informações são do site Pink News.


+++ BK' lança novo disco e fala sobre conexão com o movimento Vidas Negras Importam: 'A gente sabia que ia explodir'