Ex-diretor da Saúde nega pedido de propina: 'Existem terceiros interessados'

Em nota à imprensa, Roberto Dias, ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, negou pedido de propina na compra de doses da AstraZeneca

Redação Publicado em 01/07/2021, às 17h26

None
Dose de vacina AstraZeneca (Foto: Gareth Fuller - WPA Pool / Getty Images)

Roberto Dias, ex-diretor do Ministério da Saúde, negou acusações de que pediu propina para representante da empresa Davati Medical Supply na compra de vacinas da AstraZenaca contra a Covid-19.

Segundo o G1, em nota emitida à imprensa, Dias afirmou que se reuniu com Luiz Paulo Dominguetti, representante da Davati, e o ex-diretor-substituto de Logística Marcelo Blanco em um restaurante em fevereiro. O ex-diretor, contudo, disse não haver nenhum pedido de propina na reunião.

+++LEIA MAIS: Governo Bolsonaro pediu propina de 1 dólar por dose de vacina, diz vendedor

"É importante frisar que ao contrário do que é alegado pelo Dominguetti, o tema propina, pedido de dinheiro, facilitação... NUNCA foi tratado a mesa ou em qualquer outro ambiente em que eu estive presente", explicou a nota.

Ainda, Dias disse que oferta de 400 milhões de doses da AstraZeneca era "uma quantidade muito improvável de estar a disposição naquele momento": "Preciso saber qual a motivação desse senhor para nesse momento vir contar essa história absurda. Quem ele quer atingir ou proteger? Estou sendo usado de fantoche para algo?", comentou.

+++LEIA MAIS: ‘Não tenho como saber o que acontece nos ministérios’, diz Bolsonaro

As denúncias contra Dias começaram na terça, 28, após Dominguetti afirmar à Folha que o ex-diretor da Saúde fez oferta de propina. Devido à entrevista, a CPI(Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid convocou o representante da Davati para depor. 

Conforme publicado pelo G1, Roberto Dias também negou ter pressionado Luís Ricardo Miranda – irmão do deputado Luís Miranda (DEM-DF), autor de denúncia relacionada à vacina indiana Covaxin.

+++LEIA MAIS: Diretor da Saúde pediu aumento no preço da vacina para esconder propina, diz Dominguetti

"A segunda questão é a hipotética pressão que eu teria exercido sobre o servidor Luís Ricardo Miranda. Acredito que ele tenha se equivocado ou, intencionalmente direcionado a minha pessoa. Mostrarei perante a Comissão Parlamentar de Inquérito toda a linha de conversa que tive com ele e todos saberão o que realmente aconteceu. O verdadeiro bastidor. O fato é que, manifestamente, existem terceiros interessados...", disse, sem identificar esses terceiros.


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL