Filho de John Lennon entrevistará Paul McCartney em programa de rádio

Conversa irá ao em dois dias diferentes

Redação Publicado em 23/09/2020, às 12h59

None
Sean Lennon (Foto: Sipa USA via AP) e Paul McCartney (Foto: Tim Sharp/AP)

Sean Ono Lennon, filho mais novo do lendário John Lennon, irá entrevistar Paul McCartney em um programa de rádio especial de duas partes, responsáveis por celebrar os 80 anos do pai dele. A informação é do NME.

Como reportado pelo site, McCartney irá contar e refletir sobre os primeiros dias de quando começou a fazer música com Lennon e ainda admitiu que "havia algumas músicas que não eram muito boas". "Eventualmente, começamos a escrever canções um pouco melhores e, em seguida, gostamos tanto do processo de aprendizagem juntos que realmente decolou", continuou.

+++LEIA MAIS: Ídolo em Cobra Kai, William Zabka era perseguido por ser o vilão de Karatê Kid: ‘Se quiser ser um babaca, vamos resolver lá’

O músico falou do último encontro entre ele e o ex-colega de banda: "Eu olho para trás agora como um fã, que sorte eu tive de encontrar este estranho Teddy Boy fora do ônibus, que tocava música como eu e nós ficamos juntos e cara, nós nos complementávamos".

Paul McCartney não será o único entrevistado. Sean também conversou com o irmão mais velho Julian e Elton John, amigo próximo do cantor. John Lennon At 80 vai ao ar nos dia 3 e 4 de outubro no BBC Radio 2.

+++LEIA MAIS: Dave Bautista critica capacidade de atuação de Dwayne Johnson e diz querer bons papéis: ‘Não quero saber de Velozes e Furiosos e Bumblebee’

Na última terça, 22, foi revelado que Mark Chapman, assassino de Lennon, pediu desculpas a Yoko Ono, viúva do artista, quase 40 anos após a morte dele. Em dezembro de 1980, o criminoso disparou no ex-Beatle quatro vezes com uma arma no apartamento dele em Manhattan. 

"Só quero reiterar que sinto muito por meu crime", disse Chapman ao conselho de liberdade condicional do Centro Correcional Wende de Nova York. "Não tenho desculpa. Isso era para glória própria. Acho que é o pior crime que poderia haver fazer algo a alguém que é inocente".

Ele continuou: "Ele era extremamente famoso. Eu não o matei por causa de caráter ou o tipo de homem que ele era. Ele era um homem de família. Ele era um ícone. Ele foi alguém que falou de coisas das quais agora podemos falar e é ótimo".


+++ MANU GAVASSI: 'SE A MÚSICA SÓ FOR UMA FÓRMULA, É VAZIA E NÃO EMOCIONA' | ENTREVISTA ROLLING STONE