Ícone do emo e atração do Lollapalooza, A Day To Remember se reinventa em novo disco: 'Como uma banda de rock toca hoje?'

Jeremy McKinnon, vocalista do grupo, falou sobre as experiências da banda com sonoridades diferentes e como os anos de carreira influenciaram no projeto que será lançado em 2020

Isabela Guiduci Publicado em 12/03/2020, às 18h50

None
A Day To Remember (Foto: Divulgação)

Uma colaboração inesperada, lançada em junho de 2019, surpreendeu o público que acompanha a banda de rock formada em 2003, em Ocala, Flórida, A Day To Remember: "Rescue Me", com o DJ Marshmello. A sonoridade totalmente nova acompanha elementos do pop e do eletrônico, somados ao metal core costumeiro do grupo, e o resultado é contemporâneo.

+++LEIA MAIS: Lollapalooza 2020: 12 shows brasileiros que você não pode perder

Para o vocalista do A Day To Remember, Jeremy McKinnon, a parceria com o DJ não os torna ‘menos rock’. “Agora com a música feita, as pessoas ouvem e pensam: 'isso é diferente, mas continua sendo uma banda de rock’”, contou em entrevista à Rolling Stone Brasil.

Fruto de uma ideia de Marshmello, a colaboração aconteceu quando o DJ enviou ao vocalista uma música nos moldes com os quais está acostumado; Jeremy complementou com a letra: "Depois, Marshmello me pediu para ‘colocar A Day To Remember’ nela, e trabalhamos nisso. Mantivemos os elementos de uma banda de rock, inclusive os gritos e os vocais."

+++LEIA MAIS: Lollapalooza 2020: festival revela horários das atrações; veja

A faixa "Resentment", lançada em novembro de 2019, antecipa o disco prometido por Jeremy para 2020. Nela, os músicos também apresentam uma sonoridade que transborda as influências do metalcore e do post-hardcore e deságua em um novo caminho no qual o grupo parece se atentar - os elementos do pop:

"Pegamos a base do A Day To Remember, mas também saímos da nossa 'bolha'. Como uma banda de rock toca hoje em dia? Como podemos ser inspirados pela 'nova música'? Então, pegamos esses pequenos elementos contemporâneos, mas continuamos produzindo a partir da mesma fórmula de sempre", explicou.

+++LEIA MAIS: Saiba como comprar ingressos, o que é o Lolla Pass e mais 8 perguntas frequentes sobre o Lollapalooza 2020

Esse momento mais ‘experimental’ da banda começou quando decidiram abandonar vínculos com gravadoras e fundar o selo independente ADTR Records. Embora o músico entenda a complexidade de gravar músicas sem apoio de uma gravadora grande - pois essa conta com recursos, contatos e oportunidades frequentes - é vantajoso para explorar caminhos desconhecidos pelo grupo.  

"Agora, somos a nossa própria gravadora. Tentamos novos sons desta vez, e fizemos sessões de composição em Los Angeles com pessoas que nos inspiram na indústria da música, para ver como funcionaria trabalhar com pensamentos diferentes. Todo o processo resultou em músicas únicas e alternativas ao nosso 'antigo' jeito de produzir, tem sido divertido e maravilhoso!", contou. 

+++LEIA MAIS: Saiba como comprar ingressos, o que é o Lolla Pass e mais 8 perguntas frequentes sobre o Lollapalooza 2020

Especialmente para Jeremy, o processo de composição não acontece do dia para noite, e pode demorar anos para uma música ficar pronta. O vocalista se cobra para ter um resultado "perfeito e digno" de fazer parte da discografia do A Day To Remember

Nos trabalhos anteriores, o grupo mostrou como sabe combinar elementos e provar diferentes sonoridades ao mesclar o metalcore com o pop punk - junção bem sucedida para eles. Dois exemplos são Homesick(2009) e What Separates Me From You (2010) - álbuns importantes na cena hardcore - e também alcançaram o primeiro lugar nas paradas norte-americanas de Indie. 

+++ LEIA MAIS: Lollapalooza 2020 anuncia ingresso para dois dias do festival; veja como funciona o Lolla Double

Jeremy contou como esperava uma reação positiva do público com estes trabalhos, principalmente com Homesick: "Lembro de ter conversas com os outros meninos quando estávamos gravando Homesicke falei: 'Isso vai ser uau'. Responderam: 'É, mas você não pode afirmar isso com tanta certeza.'"

"Sinceramente," desabafou, "criei expectativas sobre as pessoas gostarem e de chegar em todo o mundo com o disco. Fizemos isso para ter este retorno. Somos uma banda por quinze anos, e continuar tendo essa resposta é muito maravilhoso. Sou grato por isso."

+++LEIA MAIS: Ícone da música eletrônica mundial, Armin van Buuren valoriza estilo no Brasil: "Definitivamente vivo e pulsante" [ENTREVISTA]

A Day To Remember usa música e discos para relembrar Ocala, cidade na qual a banda foi formada. Em Homesick(2009), o nome (“saudade de casa”) enfatiza isso. Em Common Courtesy (2013), a faixa "City of Ocala" o faz. O tema vai além da saudade, porém. Para o vocalista, voltar para lá é como tirar férias. É puro amor, pois consegue ver a filha crescer e visitar a família, e ser grato por todas as conquistas alcançadas pelo grupo: fãs por todo mundo, viagens para vários países e conhecer ídolos da música.

Mais uma vez, é possível esperar relação da banda com Ocala no novo disco. Aposta mais certeira para o novo trabalho, contudo, é um estilo que combine elementos e sonoridades amadurecidas, porém não tão exploradas pelo grupo: "Estou ansioso em relação ao lançamento do disco, porque é o A Day To Remember soando como A Day To Remember, mas também é um estilo nunca explorado antes, [mas] tocando exatamente como sempre foi."

+++LEIA MAIS: Rita Ora, atração do Lollapalooza 2020, declara amor pela música brasileira: 'é pura e original' [ENTREVISTA]

A Day To Remember, formado por Jeremy McKinnon (vocal), Neil Westfall (guitarra rítmica), Joshua Woodard (baixista), Alex Shelnutt (bateria), Kevin Skaff (guitarra solo), se apresenta no Lollapalooza Brasil 2020 no sábado, 4 de abril, no Palco Ônix. O grupo toca também em uma Lolla Party. Os shows menores servem como 'aquecimento' para o festival. ADTR apresentará em São Paulo, Barra Funda, na Audio, no dia 1 de abril.


+++ SESSION ROLLING STONE BRASIL: DELACRUZ - ANESTESIA