Pulse

Mary Austin, ex-namorada de Freddie Mercury, diz que cantor escolheu quando morrer

O astro do rock morreu aos 45 anos por consequência da Aids, em 1991

Redação Publicado em 23/10/2019, às 09h03

None
Freddie Mercury (Foto: Associated Press)

Mary Austin, a ex-namorada de Freddie Mercury, revelou como foi os últimos dias do astro do rock, que morreu por consequência da Aids. Aos 45 anos, o vocalista do Queen decidiu parar de tomar todos os medicamentos e acabar com o sofrimento pelo qual passava.

"Foi a decisão de Freddie finalmente acabar com tudo. Ele escolheu a hora de morrer [...] Ele sabia que estava vindo. A qualidade de vida dele tinha mudado tão drasticamente e ele estava sofrendo mais a cada dia", disse a ex-companheira de vida do músico para a OK! Magazine, em 2000.

+++ Leia Mais: Freddie Mercury: 7 curiosidades que você certamente não sabia sobre o cantor

Ela também contou detalhes da saúde física de Mercury. O cantor começou a perder a visão e sofrer com pequenos ataques. Porém, mesmo considerando 'angustiante' acompanhar o amigo nesta situação, Mary disse que ficou impressionada com a coragem dele ao aceitar a morte.

"Foi tão angustiante ver ele deteriorando daquele jeito. Um dia, ele decidiu que aquilo era o suficiente e parou de tomar os medicamentos que estavam fazendo ele continuar vivo [...] Ele olhou a morte nos olhos e disse: 'Tudo bem, eu a aceito agora - Eu vou."

Mary revelou que nos últimos dias de vida, Mercury passou a tentar controlar e aproveitar o tempo que ainda lhe restava. Ela diz: "Em outras situações, quando ele estava consciente que tinha Aids e tinha um tempo limitado para viver, tínhamos conversas estranhamente sérias quando ele me dizia 'Vamos nos sentar, nós não sabemos quanto tempo temos".

+++ Leia Mais: Freddie Mercury explicou por que deixou toda a herança para os gatos e ex-namorada

Apesar do sofrimento, ela afirmou que o cantor "estava em paz e morreu com um sorriso no rosto". Por fim, Mary revelou qual foi o impacto da morte do ex-companheiro na vida dela e como se sentiu solitária sem o apoio do astro, que sempre a animava nos momentos difíceis.

"De repente, não tinha ninguém para me ajudar [...] Ele sempre foi muito protetor comigo. Só depois da morte dele que eu percebi o quanto ele foi protetor. Se alguma coisa acontecia, ele dizia 'Ah querida, não se preocupe, nós vamos superar isso'. Ele era otimista."

Mary e Mercury namoraram por 6 anos. Nas entrevistas, o cantor declarou diversas vezes que considerava a relação como um casamento e se referia à ela como esposa. Após a morte do líder do Queen, em 1991, Mary foi quem herdou a maior parte do patrimônio e os bens do astro. Hoje, ela vive no Garden Lodge, mansão onde o músico morreu, e recebe metade da fortuna dele, incluindo os futuros lucros de direitos autorais das músicas compostas por ele.