Music, filme de Sia, tem nota mais baixa no Rotten Tomatoes que Cats

A diretora foi repudiada pela crítica pela forma como representou o autismo no longa

Marina Sakai | @marinasakai_ (sob supervisão de Isabela Guiduci) Publicado em 26/02/2021, às 19h09

None
Kate Hudson e Maddie Ziegler em Music (Foto: Divulgação/Signature Entertainment)

Music (2021), primeira experiência da cantora Sia como diretora, causou controvérsias antes mesmo da estreia devido à maneira como a produção representou o autismo. Classificado no Rotten Tomatoes com uma nota mais baixa que Cats (2019), o longa é um musical rejeitado pela crítica, principalmente por conta da falha na representação.

+++LEIA MAIS: Sia e FKA Twigs denunciam Shia LaBeouf por comportamento abusivo

A equipe do filme escolheu Maddie Ziegler, atriz neurotípica - termo utilizado na comunidade autista para denominar pessoas que não estão no espectro do transtorno neurológico - para interpretar uma personagem autista (ou neuroatípica/atípica).

Além das críticas - do público e da mídia especializada -, uma petição de ativistas pelos direitos do autismo em favor do cancelamento do filme recebeu mais de 20 mil assinaturas. Apesar da aversão causada, Music foi indicado a duas categorias do Globo de Ouro 2021.

+++LEIA MAIS: Sia irá escrever e dirigir filme protagonizado por Maddie Ziegler

Sia também foi condenada pela maneira como, inicialmente, respondeu às críticas sobre o projeto. A cantora pediu desculpas à comunidade autista e garantiu um discurso de justificativa antes da exibição do filme: "Eu escutei, prometo. O filme terá o aviso: 'Musicnão tolera ou recomenda o uso de contenções em pessoas autistas'", escreveu em uma série de tuítes já deletados.

Ainda acrescentou: "Sinto muito. Removerei as cenas de restrição das versões futuras. Ouvi as pessoas erradas e a responsabilidade é minha, minha pesquisa não foi aprofundada o suficiente."


+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++ FBC E VHOOR REFLETEM SOBRE HIP-HOP: 'MÚSICA É PARA SER SENTIDA' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL