Os perigos da síndrome pós-covid: condição pode levar a falta de ambulatórios no Brasil

Mesmo curados da Covid-19, diversos pacientes enfrentam as sequelas prolongadas da doença e precisam de tratamento adequado

Redação Publicado em 23/04/2021, às 16h14

None
Coronavírus (Foto: CC0/TMaxImumge)

1,4 milhões de brasileiros precisam lidar com a Síndrome pós-Covid, segundo médicos e cientistas. A condição consiste na manifestação de sintomas diversos por mais de três meses da fase aguda da doença - e ameaça acabar com disponibilidade de ambulatórios e profissionais no Brasil. As informações são do O Globo.

Mesmo após serem curadas da Covid-19, diversas pessoas sofrem com as sequelas das doenças. Depressão, infarto, perda de faladar e olfato, fadiga, perda de memória e dores são apenas algumas das condições. Quando prolongadas por mais de três meses, consistem na síndrome pós-Covid.

+++LEIA MAIS: Brasil vive ‘inferno furioso de surto’ da pandemia, diz OMS

Para tratar os sintomas prolongados, que nos casos mais graves podem incapacitar e ocasionar a morte pacientes, é preciso de ambulatórios e profissionais disponíveis. Contudo, os hospitais podem não dar conta do número de pessoas que sofrem com a síndrome.

Em entrevista ao O Globo, o pneumologista Carlos Alberto Barros Franco explicou: "É uma crise dentro da crise sanitária. E uma sobrecarga para um sistema de saúde já colapsado (...) A síndrome já configura por si só uma tragédia. Existe uma multidão de brasileiros doentes com sequelas da Covid-19. Alguns com sintomas até mais graves do que os da própria doença. E eles precisam de tratamento num momento em que toda a rede de saúde já está no limite."

+++LEIA MAIS: Por que o Brasil está tão atrasado na vacinação?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que um em cada dez infectados desenvolve a síndrome pós-Covid. Por isso, no Brasil, os cálculos são de 1,4 milhões de pessoas que sofrem com as sequelas prolongadas - e problemas graves cardiovasculares são recorrentes.

Devido à gravidade das sequelas, que muitas vezes impedem as pessoas de trabalharem e ocasionam na piora da situação econômica, a necessidade de exames aumenta. O especialista Barros Franco explicou ao o Globo que muitos pacientes curados da Covid-19 precisam fazer consultas para detectar complicações:

+++LEIA MAIS: 16 mil pessoas tomaram doses trocadas de vacinas contra Covid-19; entenda

“Não tenho dúvida de que nos próximos dois anos a síndrome pós-Covid será o principal motivo de consulta em várias especialidades,” disse.


Importância de protocolos para tratamento da síndrome pós-covid

O tema foi debatido em 08 de abril pela Academia Nacional de Medicina, que analisou a necessidade de internação para muitos pacientes curados da Covid-19, mas que sofrem com sequelas. Dessa forma, segundo profissionais, há a necessidade de criação de uma "unidade pós-Covid".

+++LEIA MAIS: Todo o mal que o kit-Covid pode te causar: Ivermectina, hidroxicloroquina e azitromicina não são eficazes para prevenir vírus

Durante o debate, o pneumologista Carlos Alberto Barros Franco argumentou: "Essa é uma preocupação de países europeus e norte-americanos, que vêm se preparando para essa segunda fase, a da síndrome pós-covid ou covid longa. Isso terá consequências da maior gravidade no Brasil. Haverá pessoas que não vão poder voltar a trabalhar normalmente. Então é fundamental que o Brasil se prepare."


+++ FBC E VHOOR | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL