Scarlett Johasson defende Woody Allen de acusações de abuso e diz que trabalharia com ele novamente

Atriz já esteve em três filmes do diretor anteriormente - e não acredita que ele abusou da filha adotiva

Redação Publicado em 04/09/2019, às 15h55

None
Scarlett Johansson (Foto: Jordan Strauss / Invision / AP)

Scarlett Johansson conversou nesta semana com o Hollywood Reporter sobre a sua relação profissional com o diretor Woody Allen e afirmou que trabalharia com ele de novo, apesar das diversas acusações de abuso sexual movidas contra o cineasta nos últimos meses. 

“Amo o Woody,” disse a atriz que interpreta Viúva Negra no Universo Cinematográfico Marvel. “Acredito nele e trabalharia com ele a qualquer momento. Vejo Woody sempre que posso, e já conversei muito com ele [sobre as acusações]. Eu fui bem direta com ele, e ele comigo. Ele mantém a inocência dele e eu acredito.”

+++ LEIA MAIS: Soon-Yi Previn, esposa de Woody Allen, fala pela primeira vez sobre o marido e as acusações que rodeiam o diretor 

Johansson já estrelou em três filmes de Allen: Match Point (2005), Scoop - O Grande Furo (2006) e Vicky Cristina Barcelona (2008), e não viu nenhuma atitude da natureza das acusações no comportamento do diretor. Para ela, as denúncias de abuso sexual seguem a “onda” do momento: “hoje em dia é difícil porque são tempos nos quais as pessoas estão sensíveis - o que é compreensivel. As coisas precisam ser reviradas, então as pessoas fazem isso com paixão e sentimentos à flor da pele e estão com raiva. É um momento intenso.”

A principal acusação contra Woody Allen partiu de Dylan Farrow, sua filha adotiva. Quando ela tinha sete anos de idade, o governo dos EUA abriu uma investigação, mas nunca houve um processo. Ela continuou insistindo no relato, mas Allen afirmou que nunca fez nada disso - e a criança foi instigada pela mãe. 

+++ LEIA MAIS: De Tarantino a Woody Allen: artista recria infográficos inspirados nas características dos cineastas 

Em vista da polêmica, Woody Allen viu seus projetos com a Amazon serem cancelados; o diretor agora move processo contra o estúdio por quebra de contrato da realização de quatro filmes.