Taylor Swift está enfurecida com venda da suas gravações: "O pior cenário possível"

Artista publicou um longo depoimento no seu Tumblr para demonstrar o descontentamento

Rolling Stone EUA Publicado em 30/06/2019, às 22h51

None
Taylor Swift (Foto: Shutterstock)

Taylor Swift mostrou que não ficará calada ao ver seu catálogo de discos, pertencente à gravadora Big Machine, vendido para Scooter Braun. A cantora pop usou seu Tumblr, neste domingo, 30, para demonstrar o seu descontentamento.

"O pior cenário possível", escreveu Swift, ao dizer que estava desolada ao descobrir que as originais das suas músicas agora pertenciam a Braun, quem ela acusa de tê-la feito passar por incessantes anos de anos de bullying manipulador.

A empresa de Braun, Ithaca Holdings, anunciou neste domingo que havia adquirido a Big Machine Label Group, empresa dona dos discos de estúdio de Swift e todas as masters. A cantora afirma que descobriu a compra neste mesmo dia.

A Big Machine Label Group possuía os direitos das masters de Taylor Swift, do disco de 2006, que levava o nome da artista, até Reputation, de 2017.

O negócio girou em torno de US$ 300 milhões, segundo informou a Billboard norte-americana.

"Por anos eu pedi, eu implorei pela chance de ser dona do meu próprio trabalho. Em vez disso, eu tive a oportunidade assinar novamente com a Big Machine Records e 'merecer' um disco de volta por vez, a cada novo álbum que eu lançasse", escreveu ela.

"Eu decidi sair porque eu sabia que assim que eu assinasse aquele contrato, Scott Borchetta venderia o selo, com isso vendendo a mim e ao meu futuro. Eu tive que fazer a terrível escolha de deixar para trás o meu passado, as músicas que escrevi no chão do meu quarto, os vídeos que eu sonhava em fazer e pelos quais eu paguei com o dinheiro que ganhei tocando em bares, depois clubes, arenas e agora estádios."

Swift explicou porque sentiu tanto a aquisição do seu catálogo por Braun. "Eu descobri isso quando anunciaram para o mundo. Tudo o que eu consegui pensar foi no bullying manipulador vindos dele dos quais fui vítima ao longo dos anos."

"Como quando Kim Kardashian orquestrou o vazamento de uma ligação telefônica e então Scooter vendo dois dos seus clientes me fazendo bullying online sobre isso. Ou quando seu cliente, Kanye West, organizou um vídeo de revanche no qual mostrava meu corpo nu. Agora, Scooter tirou de mim o trabalho de uma vida o qual não tive a oportunidade de comprar. Essencialmente, agora meu legado musical está prestes a cair na mão daquele que tentou destruí-lo". 

Swift também criticou o fundador da Big Machine, Scott Borchetta, por ter aceitado o acordo com Braun, sabendo do impacto emocional que isso causaria nela. "Quando deixei minhas masters na mão de Scott, eu aceitei o fato de que ele eventualmente às venderia. Nem no meu pior pesadelo eu imaginaria que o comprador seria Scooter", ela escreveu.

"As vezes que Scott Borchetta ouviu as palavras 'Scooter Braun' saírem dos meus lábios, foi quando eu estava chorando ou tentando não chorar. Ele sabia o que estava fazendo: ambos sabiam. Controlando uma mulher que não queria estar associada com eles. Perpetuamente. Isso significa que é para sempre."

Braun e Borchetta não responderam aos pedidos da reportagem para comentar o ocorrido.

Depois do post de Taylor, os fãs e outros artistas se aliaram em suporte à cantora com a hashtag #IStandWithTaylor, que em português significa algo como "Eu estou ao lado da Taylor". O termo ficou entre os mais repetidos no Twitter mundial.  

A cantora Halsey também publicou um texto no Instagram para dar seu apoio à artista. "Ela merece ser dona do trabalho pelo qual ela entregou seu coração."

Para ler a publicação completa de Taylor Swift (em inglês), clique aqui.

+++ De Emicida a Beyoncé: Drik Barbosa escolhe os melhores de todos os tempos