Under Pressure: Brian May conta como foi difícil gravar com David Bowie

De acordo com o guitarrista do Queen, a banda e o cantor sofreram para achar um equilíbrio entre quem controlava o rumo das coisas

Redação Publicado em 05/08/2019, às 16h07

None
Brian May (Foto:Evan Agostini/Invision/AP)

No programa de rádio Ultimate Classic Rock Nights, Brian May contou ao apresentador lendário Uncle Joe Benson quais foram as principais dificuldades que o Queen enfrentou durante a composição e gravação do clássico "Under Pressure", feita em parceria com David Bowie.

Segundo o guitarrista, ao longo desse processo, a banda e o artista solo sofreram para achar um equilíbrio entre quem controlava o rumo das coisas, e foi o Camaleão do Rock que eventualmente saiu vitorioso.

+++Leia mais: Como "Another One Bites The Dust", clássico do Queen, se tornou tão pesada?

Apesar de terem se reunido ainda sem nada muito concreto, cada um dos músicos tinha uma preferência sobre o caminho a ser seguido. "Fomos lá [no estúdio] com uma folha em branco", relembrou May.  Ele se recordou também que, inicialmente, a canção se chamava "People on the Streets", e que esse nome durou "um dia e meio provavelmete". 

Um dos principais desentendimentos, porém, surgiu quando John Deacon apresentou o riff de baixo que se tornaria icônico e marca registrada da música. "Lembro que o David Bowie falou para o John 'Não, não faz desse jeito', e o John respondeu: 'Como é? Eu sou o baixista, certo? Então é assim que eu faço'".

 Sobre a letra e a melodia, o guitarrista do Queen revelou que a banda aceitou seguir as direções dadas por Bowie: "Os vocais foram construídos de forma bem inovador, que vieram do David, porque ele tinha experiência com esse método avant-garde de construção".

Essa técnica exigia que cada um dos integrantes entrasse na cabine de gravação e, com o instrumental tocando de fundo, cantasse a primeira coisa que viesse à cabeça. "E é nisso que 'Under Pressure' é baseada. Todos esses pensamentos aleatórios", finalizou.

LISTA: 13 segredos de 'Ladrão', o terceiro disco do Djonga e um dos melhores de 2019