Wagner Moura sobre filme Marighella: ‘Não vê-lo acontecer por ignorância e brutalidade de uma censura é doloroso’

Diretor detalhou os prejuízos que a produção teve com o adiamento

Redação Publicado em 20/05/2020, às 13h15

None
Seu Jorge vive Marighella no filme de Wagner Moura (Foto: Reprodução)

Filme de estreia de Wagner Moura como diretor, Marighella teve o lançamento adiado em 2019. O longa retrata a história de Carlos Marighella, organizador da luta armada contra a ditadura militar brasileira. As circunstâncias do adiamento foram classificadas pelo ator como “censura”.

Ao anunciar o adiamento do filme, a produtora O2 Filmes justificou a mudança por não conseguir cumprir a tempo todos os trâmites exigidos pela Ancine. Em entrevista à Marie Claire, Moura falou da frustração pela demora. “Dediquei muito da minha vida, do meu dinheiro para fazê-lo. Não vê-lo acontecer por ignorância e brutalidade de uma censura é doloroso”, lamentou.

+++ LEIA MAIS: Wagner Moura sobre Regina Duarte: ‘Também é nazista’

Com o adiamento, de novembro de 2019 para maio de 2020, a produção do filme perdeu direito a R$ 1,2 milhão do fundo setorial audiovisual. “É um valor que a gente não tem, mas que os produtores tiveram a coragem de abdicar, esperando que Marighella faça uma boa bilheteria, já que essa proibição inegavelmente gera mais interesse”, explicou Moura.

O ator descartou a possibilidade de lançar o longa em uma plataforma de streaming, tanto pela inviabilidade financeira, quanto pela necessidade da estreia nos cinemas. “Quero meu filme nos cinemas como qualquer outro. Mas esse dia vai chegar”, continuou.

+++ LEIA MAIS: Trailer de Marighella, de Wagner Moura, mostra tortura, morte e resistência à Ditadura Militar; assista

Apesar de sempre se posicionar como uma pessoa de esquerda, o artista contou à Marie Claire sobre a reação intensa ao se envolver com o filme. “Marighella catalisou um ódio muito grande desde que a gente começou a trabalhar, o que só piorou com a eleição de Bolsonaro”, contou Moura. “Tinha gente dizendo que ia entrar no set, bater na gente. Era sempre uma tensão, mas também combate. A gente sabe a importância que o filme tem. Eu me dediquei muito e nunca ganhei um tostão. (...) Esse filme é uma luta minha, e não por acaso é a história de Carlos Marighella”.

Marighella ganhou uma nova data de estreia, para maio, mas com a pandemia de coronavírus, não há previsão de lançamento do filme.


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE