Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

John Paul Jones era muito importante para o Led Zeppelin, diz engenheiro de som

Eddie Kramer, que trabalhou em álbuns importantes da banda, desmistificou ideia de que grupo era apenas do guitarrista e produtor Jimmy Page

John Paul Jones (Foto: Getty Images)
John Paul Jones (Foto: Getty Images)

O Led Zeppelin foi criado e conduzido pelo guitarrista Jimmy Page, que também assinava a produção de todos os discos. Isso não quer dizer, porém, que outras pessoas não tenham sido importantes para a história da banda. Na visão do engenheiro de som Eddie Kramer, o baixista John Paul Jones merece tantos elogios quanto o colega de Page.

Em entrevista à revista Classic Rock, concedida no ano de 2021, Kramer refletiu sobre o que viu no Zeppelin quando trabalhou com a lendária banda. O profissional de estúdio exerceu sua função sob comando de Jimmy Page nos discos Led Zeppelin II (1969), Houses of the Holy (1973)e Physical Graffiti (1975).Também colaborou com a compilação Coda (1982), disponibilizada após o fim do grupo, causado pela morte do baterista John Bonham em 1980. Eddie, que já havia gravado Jimi Hendrix antes de se envolver com o Led, também fez carreira como produtor de bandas como Kiss, Peter Frampton, Carly Simon, Anthrax e vários outros.

+++ LEIA MAIS: Miley Cyrus comenta conexão com 'Nothing Else Matters', do Metallica: 'Escrita para mim'

“O Led Zeppelin era maior do que apenas a banda de Jimmy Page. Ele era o diretor, era o conceito dele, mas se tem alguém que deveria receber a mesma quantidade de elogios, esse alguém é John Paul Jones. Eu o conhecia melhor do que conhecia Jimmy. Ele era um arranjador genial e muito gentil. Ele e a esposa [Maureen Jones] sempre me convidavam para a casa deles em Hampstead.”

Ainda durante a entrevista, Kramer relembrou que foi por intermédio de Jones que ouviu as primeiras gravações da carreira do Led Zeppelin. O engenheiro de som gostou de tudo, menos do nome da banda.

John me ligou no início de 1968, pouco antes de viajarem para os Estados Unidos, e disse: ‘venha aqui, tenho uma coisa para te mostrar’. Era um acetato do primeiro álbum do Zeppelin. Ouvi e achei bem pesado. Perguntei o que era, ele me disse que se chamava Led Zeppelin. Eu só falei: ‘que nome idiota’. Quando me dou conta, estou tirando fotos deles no Fillmore East. Daí me perguntaram se eu não aceitaria mixar algumas músicas deles no segundo álbum.”

John Paul Jones e Led Zeppelin

Ainda que nem sempre seja devidamente reconhecido por sua contribuição ao Led Zeppelin, John PaulJones era parte essencial para a banda. Antes de fazer parte do grupo completo por Jimmy Page, John Bonham e o vocalista Robert Plant, ele trabalhou por anos como músico de estúdio, função que Page também desempenhava. Nesse período, gravou para os Rolling Stones, Jeff Beck, Rod Stewart, Donovan, entre vários outros.

A importância de Jones não se resume apenas à sua performance sólida enquanto baixista, muitas vezes oferecendo a base necessária para que Jimmy Page e John Bonham brilhassem. Ele também se prova essencial nas contribuições autorais (é citado como coautor de músicas do porte de “Black Dog” e “Whole Lota Love”) e à versatilidade enquanto instrumentista, visto que também gravava teclados, piano, órgão e bandolim, além de criar arranjos de corda.

++LEIA MAIS: Qual livro de Stephen King inspirou disco do Metallica? Kirk Hammett responde

Com o fim do Zeppelin, envolveu-se com uma série de projetos, com destaque ao supergrupo Them Crooked Vultures, ao lado de Dave Grohl (Foo Fighters, Nirvana) e Josh Homme (Queens of the Stone Age). Ele ainda gravou com R.E.M., Foo Fighters, Brian Eno, Lenny Kravitz e vários outros.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!