Charlie Watts, o baterista inimitável dos Rolling Stones, morto aos 80

Lenda do rock 'faleceu pacificamente em um hospital de Londres na terça, 24, cercado por sua família', de acordo com o agente do músico

Joe Gross (Via Rolling Stone EUA) Publicado em 24/08/2021, às 15h53 - Atualizado às 15h56

None
Charlie Watts (Foto: Divulgação)

O assessor de imprensa do baterista Charlie Watts, da banda Rolling Stones, confirmou a morte do músico em um comunicado. "É com imensa tristeza que anunciamos o falecimento de nosso amado Charlie Watts. Ele morreu pacificamente em um hospital de Londres na terça, cercado por sua família." dizia.

O comunicado se referia a Charlie Watts como "um dos maiores bateristas de sua geração", e encerrou solicitando que "a privacidade de sua família, membros da banda e amigos próximos seja respeitada neste momento difícil."

+++LEIA MAIS: Rolling Stones: Beatles, Patti Smith, The Who e mais relembram Charlie Watts, morto aos 80 anos

A morte de Watts veio várias semanas depois de ter sido anunciado que o baterista não seria capaz de se apresentar na turnê No Filter Tour, dos Rolling Stones, nos estádios dos EUA. "Charlie passou por um procedimento que foi totalmente bem-sucedido, mas seus médicos concluíram que ele agora precisa de descanso e recuperação adequados", disse um representante da banda em um comunicado na época. "Com os ensaios começando em algumas semanas, é muito decepcionante, mas também é justo dizer que ninguém previu isso."

Mesmo assim, era difícil imaginar os Stones sem Watts. Seu toque leve, ritmo singular e impecável, como ouvido nas canções "Paint It, Black", "Gimme Shelter" e "Brown Sugar", fizeram dele o motor que impulsionou a música da banda e um dos bateristas mais famosos e respeitados de todos os tempos.

Como disse Keith Richards em 1979: "Todo mundo pensa que Mick e Keith são os Rolling Stones. Se Charlie não estivesse fazendo o que faz na bateria, isso não seria verdade. Você descobriria que Charlie Watts são os Stones."

+++LEIA MAIS: Rolling Stones se pronunciam sobre morte de Charlie Watts

No entanto, Watts era muito diferente do resto dos Stones. Seu jeito elegante de vestir - a Vanity Fair elegeu Watts para o Hall da Fama da lista dos mais bem vestidos - estava mais de acordo com o jazz que ele amava do que com o rock & roll. O baterista também permaneceu fiel a Shirley Shepherd, sua esposa desde 1964, o que o diferenciava de seus companheiros de banda excessivos e festeiros.

Ao contrário de guerreiros de estrada nativos como Keith Richards, Watts muitas vezes parecia desinteressado em fazer turnês e dava a nítida impressão de que os Stones eram mais um trabalho do que uma vocação ou uma escolha de estilo de vida.

Sua batalha contra as drogas e o álcool em meados dos anos 80 foi, como muitas coisas sobre ele, em grande parte privada. "Eu gosto de deixar as pessoas fazerem o que querem, o que não é bom para líderes de banda", disse ele à Rolling Stone em 1991. "Se eu tivesse liderado os Rolling Stones, eles não teriam chegado a lugar nenhum. Ainda estaríamos tentando encontrar um amplificador, 30 anos depois."

+++LEIA MAIS: Rolling Stones: Tattoo You, disco de 'sobras' que alcançou o topo das paradas

Charlie Watts nasceu em 2 de junho de 1941, em Londres, filho de um motorista de caminhão. Fã de jazz (Miles Davis, Dexter Gordon e Charlie Parker eram seus favoritos), ele começou a tocar bateria por volta dos 14 anos, usando seu terno favorito de vez em quando para ter o mesmo visual de Parker. Watts tocou em bandas de jazz até 1962, quando começou a dividir seu tempo entre tocar na Blues Incorporated e trabalhar como designer gráfico em uma agência de publicidade.

Ele não foi o primeiro baterista dos Stones. A banda fez sua primeira apresentação em 1962, com o cantor Mick Jagger, o pianista Ian Stewart, os guitarristas Keith Richards e Brian Jones, o baixista Dick Taylor, e o baterista Mick Avory.

Em poucos meses, Avory estava fora e Watts entrou. Ele fez sua primeira apresentação com os Stones em 12 de janeiro de 1963, no Ealing Jazz Club. O primeiro single, um cover de "Come On" de Chuck Berry, foi lançado em junho de 1963. "It's All Over Now", O primeiro número 1 no Reino Unido, chegou em junho de 1964. ("I Can't Get No) Satisfaction", impulsionado pela bateria implacável de Watts, atingiu o número 1 nos Estados Unidos em maio de 1965.

+++LEIA MAIS: A música misteriosa dos Rolling Stones: 43 anos depois, 'ninguém chegou perto' de descobrir significado de 'Beast of Burden'

Apesar de toda a sua habilidade discreta por trás do kit de bateria, Watts parecia bem ciente de que ele era um elemento insubstituível do som dos Stones. Segundo uma história famosa da banda no auge, Jagger telefonou para o quarto de hotel de Watts no meio de uma festa que durou a noite toda, perguntando: "Onde está meu baterista?" Watts supostamente se levantou, fez a barba, vestiu um terno, colocou uma gravata e sapatos recém-engraxados, desceu as escadas e deu um soco no rosto do cantor, dizendo: "Nunca mais me chame de seu baterista. Você é a p*rra do meu cantor". 

Tanto quanto as letras de Jagger ou os riffs de Richards, a cronometragem de Watts nas principais músicas dos Stones as tornava especiais. A sensação solta e quase jazz de "19th Nervous Breakdown", o groove com Richards em "Beast of Burden" o controle extraordinário com um ritmo muito estranho em "Get Off of My Cloud", o salto de "Jumpin 'Jack Flash" e a precisão em "Gimme Shelter" - todos esses feitos "classes de mestre" servem as músicas e as moldam ao mesmo tempo.

+++LEIA MAIS: Há 58 anos, os Rolling Stones lançavam o single de estreia da carreira, 'Come On' [FLASHBACK]

Além de sua brilhante bateria, Watts também usou suas habilidades de designer para criar vários detalhes da turnês, incluindo o palco de lótus de 1975, a turnê Steel Wheels de 1989-90, a turnê Bridges to Babylon, a turnê Licks e a turnê Bigger Bang.

Longe do trabalho diurno, Watts era um músico de jazz frequente. Em 1986, ele estreou a Orquestra Charlie Watts, repleta de músicos de jazz britânicos contemporâneos. Em 1991, com o Charlie Watts Quintet, lançou From One Charlie, uma homenagem a Charlie Parker que incluía seu pequeno livro infantil dos anos 60, Ode to a Highflying Bird.

Em junho de 2004, Watts foi diagnosticado com câncer na garganta, que foi tratado e entrou em remissão. Seu retorno pareceu trazer uma energia renovada para os Stones, com quem Watts continuou a tocar durante toda a sua carreira.

Quando não estava tocando música, Watts e sua esposa, Shirley, eram donos de uma fazenda de cavalos árabes. O casal tem uma filha, Serafina, e uma neta, Charlotte.

+++LEIA MAIS: Keith Richards: As 10 melhores músicas compostas pelo guitarrista dos Rolling Stones

"Eu amo essa banda, mas não significa tudo para mim", disse Watts em 1981. "Eu sempre acho que essa banda vai durar o tempo todo - eu realmente acho. Nunca pensei que duraria cinco minutos, mas imaginei que viveria esses cinco minutos ao máximo porque os amo. Não me importo se me aposentar agora, mas não sei o que faria se parasse de fazer isso. Eu ficaria louco."


+++ CONFIRA TUDO SOBRE A BANDA 5 SECONDS OF SUMMER!