Com Scarlett Johansson, filme Viúva Negra é sobre mulheres vítimas de abuso, garante Florence Pugh

Estreia do longa foi adiada por conta da pandemia de coronavírus

Redação Publicado em 17/09/2020, às 12h51

None
Scarlett Johansson como Viúva Negra (Foto: Marvel / Divulgação)

Em algumas participações da Viúva Negra nos filmes da Marvel, ficou entendido que a personagem teve diversas experiências traumáticas, principalmente quando ela foi treinada para ser uma assassina - e o filme solo da personagem abordará isso. Em entrevista ao Total Film, Florence Pugh, intérprete de Yelena Belova, falou sobre a produção retratar mulheres vítimas de abuso.

Além disso, Pugh disse que, em Viúva Negra, a história da heroína e de Yelena são "muito importantes". "Este filme é sobre o abuso de mulheres. É sobre como eles conseguem histerectomias involuntárias aos oito anos de idade", explicou. "É sobre meninas que são roubadas de todo o mundo. É tão doloroso e tão importante".

+++LEIA MAIS: Será? Tom Holland é cotado para ser o Link em filme da Netflix do game The Legend of Zelda, diz site

Vale lembrar que, anteriormente, nós pudemos ver um vislumbre das origens de Natasha Romanoff no Quarto Vermelho em Vingadores: Era de Ultron. Viúva Negra ainda revelou a Bruce Banner, no mesmo filme, que ela não pode ter filhos depois do que foi feito para ela quando ela era jovem.

Outra Viúva Negra (Dottie Underwood, interpretada por Bridget Regan) foi apresentada na série Agente Carter, e revelou que o Quarto Vermelho tem feito lavagem cerebral em meninas desde a guerra. Pode-se esperar um mergulho profundo na tensão e horroes no lugar.

+++LEIA MAIS: Rumor diz que Pedro Pascal abandonou as filmagens da segunda temporada de The Mandalorian; entenda

Os trailers revelaram que o misterioso vilão Treinador adquiriu o controle do Quarto Vermelho. Por conta disos, Natasha e Yelena precisarão se unir para derrubar o antagonista e dar liberdade às Viúvas, que passam a ser controladas por ele.


+++ BK' lança novo disco e fala sobre conexão com o movimento Vidas Negras Importam: 'A gente sabia que ia explodir'