Pulse

Coringa: Filme tem recebido críticas porque muitos simpatizam com o protagonista, diz diretor de fotografia

Lawrence Sher, que já trabalhou outras cinco vezes com o diretor Todd Phillips, também falou como as problematizações pegaram a equipe de surpresa

Redação Publicado em 11/10/2019, às 10h55

None
Joaquin Phoenix como Coringa (Foto: Reprodução Warner)

Lawrence Sher, diretor de fotografia responsável por Coringa, deu recentemente uma entrevista ao podcast Go Creative na qual falou sobre as polêmicas e problematizações que têm envolvido o filme. E garantiu: a equipe envolvida na produção não imaginou que isso fosse acontecer.

Ele disse ter ficado um tanto quanto indignado por conta de "manchetes, críticos e outras pessoas dizendo que o filme é perigoso ou instiga violância, e todas essas coisas que nunca consideramos, apesar de, obviamente, o filme ser muito sensível à realidade do problema do armamento que existe na América e todas as outras questões que provoca".

E ainda acrescentou: "A violência é brutal. E eu acho que violência é assim mesmo, por natureza. Ainda assim, a vemos retratada em filmes de uma maneira imprudente e até divertida."

Sher, que já trabalhou em outros cinco filmes dirigidos por Todd Phillips, també disse que foi intencional retratar essa brutalidade de forma "crua e real", e isso pode ter sido um dos motivos que gerou grande desconforto nos espectadores.

+++Leia mais: Fã compara Coringa de Joaquin Phoenix com McLovin de Superbad - e o resultado é hilário

"Vivemos em um mundo muito polarizado, e, particularmente nos Estados Unidos estamos bem divididos. Essas questões, que envolvem violência e desigualdade entre o rico e o pobre, quem é visto e quem é ignorado, estão atualmente à flor da pele, e ocupam uma posição dianteira", explicou.

Apesar de não ter previsto toda essa revolta e acusações que surgiram contra Coringa, o diretor de fotografia está muito satisfeito com o resultado, e até consegue apontar para aquele que é talvez o ponto mais problemaztizado do filme: o fato de contar a história de uma pessoa quebrada e desregulada, com a qual muitas pessoas se identificam e simpatizam, e depois vê-lo seguir para um caminho de violência e crime.

"Você se alinhou com essa pessoa que aparece na tela, e aí ele faz coisas ruins, e outras coisas acontecem. Acho que isso gera um filme conflitante. E também acho que resulta em um filme muito interessante", completou.