Harry Potter: 5 vezes que Dumbledore foi o bruxo mais irresponsável do mundo mágico [LISTA]

Ao longo da saga de J.K. Rowling, o diretor toma uma série de decisões no mínimo questionáveis para um diretor de Hogwarts

Redação Publicado em 18/11/2019, às 13h20

None
Dumbledore (Foto: Reprodução)

Alvo Dumbledore foi considerado o bruxo mais poderoso de todo o mundo mágico, o único capaz de derrotar Gerardo Grindelwald e intimidar Lord Voldemort. Além disso, ele foi o diretor da escola de magia e bruxaria de Hogwarts e um símbolo admirado e respeitado pelos alunos.

O diretor é um personagem importante dentro da saga de J.K. Rowling, servindo tanto como orientador de Harry Potter, na luta contra aquele que não deve ser nomeado, quanto uma figura paterna e protetora para o menino que sobreviveu.

+++ LEIA MAIS: Harry Potter: 7 erros difíceis de serem ignorados nos filmes [LISTA]

Mas, se observarmos bem a gloriosa trajetória de Dumbledore, podemos ver que, na verdade, o poderoso bruxo tomou uma série de atitudes no mínimo irresponsáveis ao longo da vida e, principalmente, em relação à Harry Potter.

Confira aqui 5 vezes que Dumbledore, na verdade, foi o bruxo mais irresponsável do mundo mágico. Confira:

Guardar a pedra filosofal em Hogwarts


No primeiro volume dos livros de J. K. Rowling, surgem rumores sobre a volta de Voldemort e a busca dele pela a pedra filosofal para recuperar a forma humana e poder concluir o plano de matar Harry Potter. E para defender o menino que sobreviveu de aquele que não deve ser nomeado, Dumbledore tem a brilhante ideia de guardar o objeto mágico na escola em que Harry estuda. Sério?


Favorecer constantemente a casa da Grifinória


Ok, nós sabemos que a Grifinória é a casa do menino bruxo mais importante mundo, mas favorecer constantemente ela não parece ser uma atitude madura de um diretor de escola. Ao longo da saga, Dumbledore não se preocupa em mostrar o favoritismo, como no livro A Pedra Filosofal, em que o diretor atribui à Grifinória exatamente a quantidade de pontos necessários para vencer a taça das casas.


Manter Hogwarts em funcionamento após a abertura da Câmara Secreta


Feitiços fatais, criaturas mortíferas e comensais da morte são alguns fatores que fazem os bruxos terem um senso de perigo bem diferente dos trouxas. Porém, como diretor de Hogwarts e responsável pelos alunos, por que raios Dumbledore deixou a escola funcionar normalmente após a abertura da Câmara Secreta e libertação de um basilisco gigante capaz de paralisar qualquer um com apenas o olhar?


Permitir os comportamentos autoritários dos professores de Hogwarts


Aqui questionamos novamente os valores éticos e morais dos bruxos. Dumbledore sempre usou a razão e nunca a violência para atender os alunos de Hogwarts, mas como diretor o trabalho dele não para por aí. O único bruxo capaz de impor regras na escola de magia e bruxaria dava permissão à professores como Severo Snape para insultar e até mesmo agredir os alunos fisicamente, como no quarto filme, O Cálice de Fogo.


Mentir para Harry e usá-lo sem consentimento no plano contra Voldemort


De todas as atitudes irresponsáveis de Dumbledore, a maior de todas com certeza é a criação de um plano para conquistar Harry e usá-lo como arma contra Voldemort. Em As Relíquias da Morte, fica claro que o diretor manipulou o jovem bruxo para ele destruir todas as horcruxes e no final se sacrificar para salvar o mundo. Como diz Severo Snape, o Dumbledore criou Harry como alguém cria um porco para o abate.