Ministro da Saúde Nelson Teich pede demissão do governo Bolsonaro

O médico se tornou o segundo ministro da pasta a deixar o cargo durante a pandemia de coronavírus

Redação Publicado em 15/05/2020, às 13h26

None
Nelson Teich, ex-ministro da Saúde (Foto: AP)

Nelson Teich pediu demissão do cargo de ministro da Saúde nesta sexta-feira, 15. Antes mesmo de completar um mês na pasta, o médico deixou o governo de Jair Bolsonaro e deve revelar o motivo da saída nas próximas horas em uma coletiva de imprensa.

Nomeado no dia 16 de abril, Teich foi escolhido para substituir Luiz Henrique Mandetta, que deixou o cargo por não concordar com o posicionamento de Bolsonaro em relação à pandemia de coronavírus, principalmente, o uso da cloroquina para o tratamento de infectados da covid-19 e a quarentena apenas para o grupo de risco. 

+++ LEIA MAIS: Camila Pitanga ataca Bolsonaro de jet-ski durante pandemia: ‘Genocida’

Como o antecessor, Teich fez declarações a favor do isolamento social generalizado e alertou os cidadãos nas redes sociais sobre os efeitos da cloroquina para o tratamento de doentes.

O Presidente da República estava em uma campanha de conscientização contra a violência doméstica ao lado de Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania, e Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, quando o Teich anunciou a demissão. 

A assessoria de imprensa da pasta emitiu uma nota sobre a decisão do ex-ministro em deixar o cargo, mas pouco tempo depois o assessor do médico afirmou que, na verdade, ele foi demitido depois de comparecer a uma reunião com Bolsonaro. Nenhuma das informações foram confirmadas. 

+++ LEIA MAIS: Bolsonaro e filho Carlos atacam Moro após publicação de trechos de reunião: ‘Game over’

De acordo com o Uol, o Presidente da República chegou a conversar com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada e afirmou que o Ministério da Saúde iria mudar o posicionamento dele em relação ao uso da cloroquina. 

“O protocolo deve ser mudado hoje porque o Conselho Federal de Medicina diz que pode usar desde o começo. É direito do paciente. O médico na ponta da linha é escravo do protocolo. Se ele usa algo diferente do que está ali e o paciente tem alguma complicação ele pode ser processado”, disse Bolsonaro.

O general Eduardo Pazuello é uma das apostas para assumir o cargo de ministro da Saúde.


+++ O TERNO | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL