Por que a Funarte proibiu bandas de rock em premiação - e já tinha feito isso antes?

Depois da declaração de Dante Mantovani, presidente da Fundação Nacional da Arte, de rock é responsável por destruir famílias, um novo edital proíbe especificamente que bandas desse tipo possam ser candidatas

Redação Publicado em 23/01/2020, às 15h19

None
Beatles (esq.) e Dante Mantovani (dir.) (Foto 1: AP e Foto 2: Divulgação / Dante Mantovani / Site Pessoal)

A Funarte (Fundação Nacional da Arte) liberou nesta quinta, 22, um edital para premiar bandas com instrumentos de sopro, chamado Prêmio de Apoio a Bandas de Música 2020. O concurso é aberto para a maioria dos estilos… Exceto bandas de rock.

O texto deixa claro que não podem participar “'fanfarras’ ou ‘bandas marciais’ [...] ‘bandas de pífanos’, ‘bandas de rock’, ‘big-bands’, bem como conjuntos musicais assemelhados, conjuntos musicais de instituições religiosas, bandas militares e bandas de instituições de segurança pública.” (A íntegra está no site da Fundação).

+++ LEIA MAIS: Os Beatles foram invenção socialista para fazer garotas abortarem, diz novo presidente da Funarte

A exclusão do estilo causou furor pelas opiniões antes divulgadas de Dante Mantovani, presidente da fundação, que deixa bem claro em vídeos no YouTube o fato de que rock é contra a família, de acordo com as crenças dele.

No início de dezembro de 2019, um dos vídeos de Mantovani viralizou. Nele, teorizou como o rock nasceu para desestabilizar o capitalismo e as famílias americanas. Criou uma corrente de pensamento que afirma que a União Soviética criou grupos de rock para fazer jovens se perderem nas drogas e abortarem. Leia mais detalhes aqui.

+++ LEIA MAIS: Bolsonaro vai parar nos trends com suástica no lugar do 's' depois de vídeo de secretário demitido

A Funarte lançou, depois da repercussão, uma nota de esclarecimento sobre o assunto: "As alegações [...] não correspondem à realidade [...] porque esse edital serve à distribuição de instrumentos apenas para bandas civis 'tradicionais', e não para outros tipos de bandas," explica o texto.

"A redação atual é quase igual nas três versões anteriores, 2007, 2010 (Procultura) e 2012, não sendo absolutamente uma novidade da gestão Dante Mantovani". Encontre o esclarecimento na íntegra aqui.

+++LEIA MAIS: Regina Duarte pretende demitir presidente da Funarte que associou rock a aborto e satanismo

Por "quase igual", porém, há ainda diferenças. No texto de 2013 (aqui),  são especificados os tipos de banda que poderiam participar, mas não que "bandas de rock" estavam proibidas. O texto de 2010 tem link nesta página da Funarte, mas está fora do ar. Já o edital de 2007 não está relacionado no acervo da fundação, que só disponibiliza documentos a partir do ano 2010. Tampouco está listado o texto do edital de 2012.

+++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 1), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL