Por que Paul McCartney decidiu tornar a MPL, empresa que fundou, em uma editora musical?

Em entrevista, o músico falou sobre como o empreendimento definiu o catálogo das canções publicadas até hoje

Redação Publicado em 17/01/2020, às 17h35

None
Paul McCartney (Foto: Tim Sharp / AP)

Em 2019, Paul McCartney deu uma entrevista para a Billboard e explicou porque a MPL - McCartney Productions Ltd., empresa fundada pelo músico para tratar de interesses comerciais - começou a adquirir catálogos de músicas de outros artistas a partir dos anos 1970 e tornou-se uma editora musical - que edita e comercializa as partituras e letras de canções, além de cuidar dos direitos autorais. 

"Quando descemos de Liverpool, pensei - ingenuamente - quando você ganha dinheiro, coloca no banco. Então você encontra contadores que dizem não, não, não - você tem que investir. O pai e o irmão de Linda [Lee e John Eastman] eram meus advogados, e eles são brilhantes, e Lee me telefonou a certa altura e disse: ‘Um dos meus clientes quer vender a editora dele’. Foi Buddy Morris [quem tinha fundado Edwin H. Morris Music]. Ele nomeou uma figura muito grande - basicamente tudo o que eu tinha na época", disse.  

+++ LEIA MAIS: Rolling Stones, Paul McCartney e mais: 7 das 10 turnês mais rentáveis da década são de artistas do rock

Ele continuou: "E eu disse: 'Você tem certeza de que é uma boa jogada? Envie-me uma lista das músicas que ele publica.' Eu olhei para a lista e tinha "Stormy Weather", "The Christmas Song" e pensei: ‘Bem, aqui está tudo!’ Essa foi a fonte dos padrões [de conteúdo que a MPL publica] e foi um dos grandes catálogos americanos."

O crescimento da empresa aconteceu principalmente devido à aquisição de outras editoras. A MPL tem sedes em Londres e Nova York. Inclusive, Paul McCartney revelou que ainda ajuda na empresa. 

Na mesma entrevista, refletiu sobre os recordes dos Beatles nas paradas, além de ocupar a primeira posição no ranking de melhores artistas de todos os tempos, e em carreira solo (incluindo o trabalho com Wings) estar em 12º lugar. 

+++LEIA MAIS: Paul McCartney revela o segredo do sucesso dos Beatles: ‘Não existem duas músicas iguais’

Ainda, comentou que se importa com as posições ocupadas pelos trabalhos dele, como Egypt Station: "Quando você faz algo, você meio que faz por si mesmo, mas, ao mesmo tempo, deseja que as pessoas o ouçam e julguem se é bom. Então, você se esforça um pouco para pensar: 'Como devemos fazer isso da melhor maneira?' E, com o passar do tempo e os parâmetros mudam, você pensa: 'Como fazemos isso agora?'  e espero o melhor - há streaming e coisas a considerar."


 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 1), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL