Spotify lança movimento pelo voto de adolescentes

Com campanha 'Play no Voto', Spotify mira no engajamento do grupo de 16 e 17 anos nas eleições de 2022 - o mais baixo da série histórica, segundo o TSE

Redação Publicado em 20/04/2022, às 12h34

Spotify lança movimento Play no Voto, pelo engajamento de adolescentes
Divulgação

O Spotify entrou na campanha pela conscientização eleitoral dos jovens. A plataforma lançou, nesta quarta-feira (20), o movimento Play no Voto, que vai reforçar junto à audiência a importância da regularização do título de eleitor até o dia 4 de maio.

O foco é nos jovens de 15 a 17 anos, que deverão receber mensagens, links e pop-ups de conscientização cívica, alertando para a data limite do cadastro. Para esse grupo, o voto ainda é facultativo no Brasil - passando a ser obrigatório a partir dos 18 anos.

Spotify lança movimento pelo voto de adolescentes (Divulgação)
Spotify lança movimento pelo voto de adolescentes (Divulgação)

 

Pop-ups com links pata o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deverão ser usados junto aos usuários, e mensagens de incentivo aparecerão também em pontos estratégicos do transporte público em São Paulo, como as linhas 4 - Amarela e 5 - Lilás do metrô.

Com a ação, o Spotify se une a um coro de artistas que vêm pedindo o engajamento dos jovens no processo eleitoral. Luísa Sonza, Zeca Pagodinho, Lázaro Ramos, Taís Araújo, Bruna Linzmeyer e Larissa Manoela foram alguns dos nomes que falaram publicamente sobre o assunto.

Anitta também fez barulho ao chamar atenção dos seguidores jovens no último mês de março ("Se for maior de 16 eu só tiro a foto se tiver foto do título de eleitor", postou, em seu Twitter). A cantora chegou a ser citada pelo ator e diretor Mark Ruffalo, que reforçou a importância do voto para remover Donald Trump da Casa Branca nas eleições americanas de 2020.

Spotify lança movimento pelo voto de adolescentes (Divulgação)
Spotify lança movimento pelo voto de adolescentes (Divulgação)

 

Segundo o TSE, o engajamento dos adolescentes de 16 e 17 anos é o menor já registrado desde o início desse tipo de acompanhamento. Para incentivar o cadastro, o Tribunal preparou uma página especial dedicada a este público, com informações sobre a eleição e sobre o título.