4 motivos para assistir Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta, novo filme adolescente da Netflix [LISTA]

Produção chegou ao catálogo na quarta, 3 de março - e é uma ótima reflexão sobre o feminismo

Redação Publicado em 06/03/2021, às 13h00

None
Amy Poehler e Hadley Robinson em Moxie (Foto: Reprodução)

Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta é o mais novo filme adolescente da Netflix, lançado na última quarta, 3 de março. Dirigido por Amy Poehler, o longa traz diversas reflexões acerca do feminismo, principalmente na adolescência. 

Inspirada no livro de Jennifer Mathieu, Moxie: A Novel, a trama acompanha Vivian (Hadley Robinson), uma garota tímida de 16 anos que, cansada do sexismo no colégio, se inspira na época de adolescência da mãe, mergulha na luta feminista, e passa a publicar uma zine responsável por uma verdadeira revolução na escola. 

+++ LEIA MAIS: Apesar do drama adolescente exagerado, Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta é uma urgência feminista [REVIEW]

Lisa (Amy Poehler), a mãe de Vivian, é uma Riot Grrrl - integrante do movimento punk feminista underground do início da década de 1990. Influenciada por Lisa, portanto, Vivian embarca em um processo pessoal de desconstrução, coragem e de entendimento sobre o movimento feminista - acompanhada de outras garotas da escola.

O filme é muito interessante e aborda diversas temáticas que fogem dos clichês costumeiros de produções adolescentes. Pensando nisso, listamos 4 motivos para os leitores da Rolling Stone Brasil darem uma chance e assistirem Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta.

+++LEIA MAIS: De Bikini Kill a Cansei de Ser Sexy: 5 músicas incríveis de Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta [LISTA]


+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


Feminismo

Moxie: Quando as Garotas Vão À Luta apresenta uma série de questionamentos sobre comportamentos sexistas e machistas do período escolar, como diminuição da mulher nos esportes - ou cargos de responsabilidade -, opressão, assédio, estupro, etc.

Em quantos filmes ou séries teen vemos garotas protagonizando e sendo destaque como atletas? Ou garotas dispostas a lutarem contra o sistema patriarcal? Ou garotas unidas por uma causa maior, sem serem rivalizadas ou diminuídas em um arco narrativo masculino? Por isso, Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta é um destaque. 

Apesar de falhar em relação ao feminismo interseccional e não aprofundar outras personagens importantes como Lucy, o filme aborda pautas feministas urgentes no universo adolescente ao questionar comportamentos machistas e sexistas constantes no período escolar. 

+++LEIA MAIS: Para superar o fim de Para Todos os Garotos: 7 produções de romance teen para maratonar na Netflix [LISTA]


Protagonismo feminino

Com uma longa lista de personagens mulheres, o filme de Amy Poehler foca muito no desenvolvimento, união, apoio e colaboração entre as garotas - e é bem diferente do que estamos acostumados a ver em produções adolescentes. Neste longa, o protagonismo e o heroísmo são todo feminino e não são dependentes de nenhuma figura masculina. 

Para mulheres espectadoras, inclusive, é muito fácil se identificar - e se inspirar - com diversas cenas do filme. A identificação é muito natural e um dos acertos de Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta

+++LEIA MAIS: Para Todos os Garotos: Agora e Para Sempre é mais um dilema clichê adolescente, mas consegue ser suficientemente sensível [REVIEW]


Romance leve e divertido

Como um bom filme adolescente, há um romance leve e divertido para dar um tom teen à narrativa. Vivian se envolve com o encantador Seth (Nico Hiraga), que a apoia em todo processo de Moxie. Embora não tenham tantas cenas, os dois desenvolvem uma boa relação.   

+++LEIA MAIS: Tudo o que a Netflix anunciou sobre remake de Rebelde


Amizade de Lucy e Vivian

Lucy é a amizade que todas precisamos. Além de ser inspiradora e confiante, Lucy é a responsável por fazer Vivian revisitar um lado pessoal mais assertivo e político, muito apagado na vida dela até então. 

A amizade das duas é o reflexo de como o feminismo e o empoderamento feminino é importante para a desconstrução pessoal de cada um em uma sociedade patriarcal. A relação delas é, certamente, um dos pontos altos do filme. 

+++LEIA MAIS: As 52 estreias da Netflix para março de 2021: Sky Rojo, trilogia de Karatê Kid e mais


+++ HAIKAISS: 'O TRAP TAMBÉM PASSA UMA MENSAGEM CONSCIENTE' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL