4 motivos para maratonar Normal People, minissérie indicada ao Globo de Ouro 2021 [LISTA]

No Brasil, a série está disponível no Amazon Prime Video

Isabela Guiduci | @isabelaguiduci Publicado em 03/02/2021, às 17h40

None
Daisy Edgar-Jones como Marianne e Paul Mescal como Connell em cena de 'Normal People' (Foto: Divulgação)

Os indicados ao Globo de Ouro 2021 foram anunciados nesta quarta, 3. Dentre os nomes, a série Normal People, original do Hulu, ganhou duas indicações: Melhor Minissérie ou Filme para TV e Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV com a atuação impecável de Daisy Edgar-Jones como Marianne.

+++ LEIA MAIS: Normal People não é o seu romance ideal de TV — e é por isso que você deveria assistir

Disponível no canal Starzplay, do Amazon Prime Video, Normal People é, de fato, uma série maravilhosa devido à narrativa sensível, profunda e complexa, à atuação impecável de Daisy Edgar-Jones e de Paul Mescal, aos cortes cinematográficos artísticos, e à trilha sonora marcante. 

A produção, lançada em 2020, é baseada no romance homônimo de Sally Rooney, foi aclamada pela crítica e conta com 90% de aprovação de Rotten Tomatoes. Inclusive, a autora do livro é a responsável pela roteirização da série. 

+++LEIA MAIS: Globo de Ouro 2021: Veja os indicados às categorias

Para conhecer, ou querer assistir Normal Peolple novamente, listamos quatro motivos para maratonar esta incrível produção do Hulu:

Episódios

A série tem apenas 12 episódios de em média 20 a 30 minutos. Os eventos da narrativa acontecem sem enrolação e em uma boa velocidade, o que torna a produção uma ótima opção de maratona. 

Devido aos poucos episódios de Normal People, cada novo capítulo da série também indica um novo período da vida a ser retratado: o ensino médio, a faculdade e os planos de uma carreira no futuro.

+++LEIA MAIS: Fate: A Saga Winx é uma boa série adolescente de fantasia, mas não atende às expectativas [REVIEW]


História de amor não ideal

Você não vai ficar muito feliz ou encontrar muitos clichês no romance de Marianne e Connell. Pelo contrário, é bem possível que a narrativa mexa com você devido à triste realidade de algumas situações - influenciadas pelas inseguranças, medos, questões pessoais, dificuldades da vida adulta e outros - e é isso que torna a história tão única.

A conexão do amor dos protagonistas, embora seja sensível, sincera e profunda, é muito complexa e 'real demais' em alguns momentos. Não é uma narrativa boba ou repleta de clichês. É diferente, é intenso, é lindo, é exaustivo - e não é o amor idealizado visto em muitas produções românticas.

+++ LEIA MAIS: 9 filmes de romance sem finais felizes para lembrar que o amor é incerto: De La La Land, Her e mais [LISTA]


Artístico

Tudo na produção é muito artístico - as cenas, as imagens, as músicas, as composições do cenário. Detalhes mínimos de olhares e de toques dos protagonistas, de canções que regem o momento, e outros, compõem a narrativa de uma maneira muito excêntrica. 

As emoções são provocadas não apenas pela atuação e pelas falas, mas a partir da combinação destes detalhes, que deixam a narrativa ainda mais artística e poética. O público consegue sentir a profundidade das cenas.

+++LEIA MAIS: 6 personagens clássicos de Winx que fizeram falta no live-action da Netflix


Protagonistas

Marianne e Connell se conhecem no Ensino Médio e são de dois contextos sociais completamente diferentes, e o relacionamento é constantemente testado por esse fato - mesmo já na vida adulta. Acompanhamos a evolução, amadurecimento, medos, inseguranças, crescimentos profissionais e mais.

Daisy Edgar-Jones (Marianne) e Paul Mescal (Connell) têm uma conexão impressionante nas cenas, principalmente nas de sexo - frequentes ao longo da série -, que realmente refletem a intimidade do casal. 

+++LEIA MAIS: 3 casais de O Clube das Winx que gostaríamos de ver na série da Netflix


+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++ PAI EM DOBRO | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL

++++

+++SAIBA MAIS: Globo de Ouro 2021: Veja os indicados às categorias

A Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA) anunciou nesta quarta, 3 de fevereiro, os indicados ao Globo de Ouro 2021. Normalmente o evento acontece logo nas primeiras semanas do ano, mas foi adiado devido à pandemia de coronavírus. A cerimônia de premiação acontecerá no dia 28 de fevereiro. 

+++LEIA MAIS: Em O Tigre Branco lições são aprendidas (e reaprendidas) sobre o sistema de castas da Índia [ANÁLISE]

Sarah Jessica Parker e a Taraji P. Henson foram as responsáveis por fazer os anúncios dos indicados ao Globo de Ouro 2021. As indicações ficaram bastante divididas - em filmes e séries.

Um dos destaques em indicação é o filme Mank, da Netflix, que está indicado em seis categorias: filme de drama, ator (Gary Oldman), atriz coadjuvante (Amanda Seyfried), direção (David Fincher), roteiro (Jack Fincher) e trilha sonora (Atticus Ross, Trent Reznor).

+++LEIA MAIS: 8 obras para provar que David Lynch é uma das maiores mentes criativas de todos os tempos [LISTA]

Além disso, os homenageados do ano também foram confirmados. Jane Fonda ganhou o prêmio Cecil B. de Mille enquanto Norman Lear fica com o prêmio Carol Burnett.

Veja a lista com os indicados:

Melhor Filme de Drama

Melhor Atriz em Filme de Drama

Melhor Ator em Filme de Drama

Melhor Atriz Coadjuvante em Filme

Melhor Ator Coadjuvante em Filme

Melhor Direção em Filme 

Melhor Roteiro em Filme

Melhor Animação

Melhor Filme em Língua Estrangeira

Melhor Trilha Sonora em Filme

Melhor Canção em Filme 

Melhor Filme de Comédia ou Musical

Melhor Atriz em Filme de Comédia ou Musical

Melhor Ator em Filme de Comédia ou Musical

Melhor Série de Drama

Melhor Atriz em Série de Drama

Melhor Ator em Série de Drama

Melhor Atriz Coadjuvante em Série

Melhor Ator Coadjuvante em Série

Melhor Série de Comédia ou Musical

Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical

Melhor Ator em Série de Comédia ou Musical

Melhor Minissérie ou Filme para TV

Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV 

Melhor Ator em Minissérie ou Filme para TV

Prêmio Cecil B. de Mille

Prêmio Carol Burnett