5 curiosidades sobre Michael J. Fox: de ativismo a De Volta para o Futuro [LISTA]

Nesta quarta, 9, o astro de Marty McFly em De Volta para o Futuro completa 60 anos

Camilla Millan Publicado em 09/06/2021, às 15h39

None
Michael J. Fox em De Volta Para o Futuro (Foto: Reprodução)

Nascido no Canadá, Michael J. Fox se mudou aos 18 anos para Los Angeles com o objetivo de tentar carreira na atuação - e deu certo. O astro, apesar de iniciar com pequenos papéis, alcançou grande popularidade ao longo dos anos.

Foi aos 21 anos, em 1982, que Fox conseguiu destaque ao estrear na série de televisão Caras & Caretas como Alex P. Keaton. O papel deu visibilidade ao astro, garantindo protagonismo nos filmes O Garoto do Futuro (1985) e na franquia icônica De Volta Para o Futuro (1985).

+++LEIA MAIS: Christopher Lloyd relembra atuação com Michael J. Fox em De Volta Para o Futuro: 'Química natural'

Na década de 1980, Michael J. Fox se tornou um ídolo adolescente por meio do carisma e dos filmes. Nos outros anos, o astro também participou de grandes longas e séries, contudo, com o diagnóstico da Doença de Parkinson em 1991, o astro precisou se afastar das telonas.

Entre algumas participações em séries e filmes, Fox se manteve ativo na indústria cinematográfica também dedicando-se à dublagem. Além do trabalho com longas-metragens, o ator se dedicou ao ativismo, e é um dos grandes nomes que lutam pelo avanço da medicina para tratamento de diversas doenças.

+++LEIA MAIS: Qual era o título original de De Volta Para o Futuro 2?

Para marcar o aniversário de 60 anos de Michael J. Fox, a Rolling Stone Brasil separou 5 curiosidades sobre o astro; confira:

Trabalhou ilegalmente

Quando tinha 18 anos, Michael J. Fox mudou-se ilegalmente para Los Angeles, nos Estados Unidos, com o objetivo de tentar a carreira artística. Na época, morou e trabalhou no país ilegalmente - e apenas após ficar famoso contratou um advogado de imigração para o auxiliar no processo de legalizar a situação dele.

+++ LEIA MAIS: Roteirista de De Volta Para o Futuro odeia uma das cenas mais amadas do filme


Quase não viveu De Volta para o Futuro 

Inicialmente, o astro Eric Stoltz foi escolhido para viver Marty McFly em De Volta Para o Futuro. O ator, contudo, foi demitido após seis meses, pois o diretor Robert Zemeckis o achou muito “intenso” para o projeto. Com isso, Fox conseguiu o papel que eternizaria sua atuação mundialmente.


Papel em Caras & Caretas

Não foi só em De Volta Para o Futuro que Michael J. Fox não era a primeira opção para o papel. Na icônica série em Caras & Caretas, o astro Matthew Broderick foi escolhido para viver Alex P. Keaton, mas recusou por ter outros compromissos.

+++LEIA MAIS: O dia que Flea e ZZ Top participaram de De Volta para o Futuro 3 [FLASHBACK]

Assim, Fox foi escolhido para o papel, mas não tinha telefone em casa na época. A produção do seriado precisou ligar no orelhão do lado de fora da lanchonete na qual trabalhava para confirmar que o astro, de fato, participaria de Caras & Caretas.


Os primeiros sintomas do Parkinson

Em 1991, Fox recebeu o diagnóstico de Parkinson - e divulgou publicamente a doença em 1998. Na autobiografia Lucky Man, o ator explicou que percebeu os primeiros sintomas nas filmagens de Doutor Hollywood, lançado em 1991.

+++LEIA MAIS: Michael J. Fox conta sobre os piores momentos desde o diagnóstico de Parkinson

Em poucos anos os sintomas se agravaram, fazendo-o se afastar, por exemplo, da sitcom Spin City em 2000. No lugar dele, entrou Charlie Sheen, astro que viveu o vice-prefeito Charlie Crawford na série.


Ativismo

Após o diagnóstico, Fox se tornou um ativista em relação às pesquisas com células-tronco para tratamento de diversas doenças, como o Parkinson. Com o trabalho, o ator foi reconhecido como uma das 100 pessoas "cujo poder, talento ou exemplo moral está transformando o mundo" em 2007 pela revista Time.

+++LEIA MAIS: Eddie Van Halen participou de De Volta para o Futuro - mas você provavelmente não percebeu

Em 2010, o astro também recebeu um doutorado honorário em medicina do Instituto Karolinska, na Suécia, pelas contribuições à pesquisa da doença de Parkinson.


+++ URIAS: 'AS PESSOAS ESTÃO COMEÇANDO A ENTENDER MAIS DE MIM' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL