60 Dias Infiltrados na Prisão: 5 curiosidades impressionantes sobre o backstage da série

A segunda temporada da produção estreou na Netflix no início de dezembro

Redação Publicado em 20/12/2020, às 13h00

None
60 Dias Infiltrados na Prisão (Foto: Reprodução)

Em dezembro de 2020, a Netflix disponibilizou a segunda temporada de 60 Dias Infiltrados na Prisão, uma série documental que acompanha indivíduos que se voluntariam para passar dois meses infiltrados em penitenciárias. O programa do A&E já tem 6 temporadas, e é um sucesso - e algumas curiosidades do backstage podem ser impressionantes. As informações são do Screenrant.

+++LEIA MAIS Peaky Blinders: 7 curiosidades que você provavelmente não sabia [LISTA]

No programa, os indivíduos receberam antecedentes criminais forjados com o objetivo de se integrarem à população carcerária - e lógico, observar problemas de segurança, drogas e celulares para obter informações privilegiadas e relatar aos responsáveis das prisões.

A premissa do programa, que estreou no A&E em 2016, é certamente louca - isso porque deixa os voluntários em um perigo constante. Contudo, algumas informações do backstage são ainda mais impressionantes - e o Screenrant fez uma lista; confira:

+++LEIA MAIS: 5 curiosidades sobre Todo Mundo Odeia o Chris que você (talvez) não sabia [LISTA]

Obstáculos legais

Colocar pessoas inocentes na prisão em uma vigilância de 24 horas por dia pode ter gerado grandes dúvidas quanto a legalidade do programa - e a produção teve que passar por vários obstáculos para dar certo.

Na realidade, fazer inocentes entrarem na prisão foi o processo mais fácil - a dificuldade foi de evitar a violação dos direitos dos detentos. Para isso, integrantes das prisões, tanto presidiários quanto carcereiros, tiveram que assinar um formulário de liberação padrão.

Outro desafio, segundo o Screenrant, foi evitar a filmagem de locais proibidos - áreas ao redor do banheiro e do chuveiro. Por isso, as equipes de filmagem precisaram sacrificar ângulos em favor de gravações que não interferissem nos direitos de ninguém.

+++LEIA MAIS: Cocriador do Fyre Festival vai lançar podcast direto da prisão


Como escolhem os participantes?

Muitas pessoas devem se preguntar como fazer para entrar no programa, já que os participantes são os mais diversos possíveis - de advogados e professores a policiais - e cada um com um interesse específico em entrar na prisão.

Segundo o produtor executivo Gregory Henry, foram muitas as pessoas que se voluntariaram para participar - e a equipe precisou usar critérios para escolher os indivíduos. O principal, segundo o Screenrant, foi selecionar pessoas de todas as esferas.

A produção fez questão de escolher, em toda temporada, participantes diversos que tivessem opiniões diferentes sobre o sistema carcerário e a aplicação de leis. Assim, foram selecionados tanto parentes de ex (e atuais) detentos, quanto advogados e policiais.

+++LEIA MAIS: Caetano Veloso relembra época da prisão: 'Parecia que nunca mais eu ia sair'


A população carcerária não é exatamente o que representam no programa

Como na maioria dos programas, a população carcerária em 60 Dias Infiltrados na Prisão é representada de forma exagerada. Na produção, muitos presos foram retratados como viciados em drogas pesadas, como cocaína e metanfetamina, mas nem sempre era assim.

DiAundré Newby, participante da primeira temporada do programa do A&E, explicou as cenas no programa de presos cheirando pó não eram exatamente assim: “Existem essas coisas chamadas Stonewalls (pílulas de tabaco) e elas não são realmente ilegais, você pode comprá-las na loja por US$ 12 a caixa. As pessoas que tinham o hábito de cheirar coisas nas ruas pegavam essas pílulas e amassavam, formavam uma linha e cheiravam”.

Apesar do vício em substâncias ilícitas ser uma realidade dentro e fora das prisões, o participante explicou que o uso dessas pílulas não dava grandes efeitos: “Isso realmente não fez nada por eles além do efeito placebo de ter algo em seu nariz”.

+++LEIA MAIS: Maior prisão da Escócia inaugura selo musical para detentos


Nem sempre foram 60 dias

Mesmo com o nome sugestivo, nem sempre o período de 60 dias foi cumprido no programa. Há registros da prisão do condado de Fulton os quais mostram que alguns participantes ficaram menos de um mês, e não foi porque ele saiu antes.

Um dos exemplos é uma participante polêmica da quarta temporada, Angele Cooper, que ficou na prisão por um mês e dois dias. Segundo o Screenrant, ela teria sido removida antes por questões de segurança, mas as circunstâncias exatas não foram divulgadas.

+++LEIA MAIS: Banda de metal do Irã pode ser condenada à prisão por tocar ‘música satânica’


Edição manipulada

Com muitas horas de filmagem, a produção precisou editar e fazer grandes cortes para a edição final - e algumas situações acabaram sendo forjadas. Rob Holcomb, da primeira temporada, afirmou que a série editou sequências para fazer parecer que ele estava correndo muito mais perigo do que realmente estava.

Segundo ele, isso foi feito para pintar um retrato ainda mais estereotipado e injusto da população carcerária. 

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++ PÉRICLES: 'QUEREMOS FAZER O NOSSO SOM, MOSTRAR NOSSA VERDADE E LUTAR POR IGUALDADE' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL