Pulse

Assistente de Freddie Mercury lembra de clipe censurado por gravadora por ser "promíscuo"

O assistente pessoal, Peter 'Phoebe' Freestone, trabalhou para o vocalista do Queen de 1979 até o final da vida do astro, em 1991

Redação Publicado em 06/11/2019, às 13h45

None
Freddie Mercury (Foto: Reprodução)

O ex-assistente pessoal de Freddie MercuryPeter Freestone, trabalhou para o astro de 1979 até 1991 e presenciou diversos momentos marcantes ao lado do vocalista do Queen. E uma dessas ocasiões foi a polêmica festa de aniversário que aparece no clipe banido "Living On My Own".

Em entrevista à Sky NewsFreestone disse que não concorda com a censura imposta sobre o vídeo e conta que as coisas que aconteceram na festa, na verdade, são mais comuns do que as pessoas pensam.

"Eu acho que é apenas superproteção, o fato de ter sido banido. Mas, quero dizer, o sexo acontece em cantos escuros, mesmo nas festas que as pessoas vão hoje em dia, não é? [...] Muito dele, [o clipe], é uma sugestão, em oposição ao que, de verdade, aconteceu fisicamente".

+++ LEIA MAIS: Por que Freddie Mercury demorou dois anos para revelar que tinha AIDS?

Ele completa: "Eu nunca realmente entendi essa censura dos negócios, porque é o seguinte: um ano é banido e no próximo ano, essa proibição é suspensa e as coisas ficam 10 vezes mais óbvias do que a que foi banida 12 meses atrás. Eu não entendo nada disso.

O clipe foi gravado no clube alemão Old Mrs. Henderson's durante o aniversário de 39 anos de Mercury. A comemoração tinha um código de vestimenta específico em que todos deveriam se vestir como drag queens e roupas pretas e brancas. Entre os 300 convidados, estava o guitarrista do QueenBrian May, a ex-esposa Mary Austin, o cantor Boy George e o parceiro Jim Hutton.

+++ LEIA MAIS: Drama na gravação de disco de Freddie Mercury foi o grande erro de Bohemian Rhapsody, diz assistente: ‘Irritante’

O assistente, que também compareceu à festa, afirma que existem muitas coisas "piores" em festas feitas em casas do que nas casa noturnas. Ele diz: "Só porque não é uma festa dentro dos padrões convencionais, ela se torna decadente, hedonista e extravagante".

Na época, o presidente da CBS Records, Walter Yetnikoff, cancelou o lançamento e proibiu o clipe alegando "promiscuidade". O vídeo foi apenas divulgado apenas dois anos depois da morte de Mercury, em 1993, pelo No More Brothers e e se tornou o single mais vendido em um ano, na Europa. Recentemente, ele foi relançado em HD junto com o box Never Boring.