Pulse

Presidente da Disney defende filmes da Marvel e critica Scorsese e Coppola: "desrespeitosos"

Bob Iger apontou os pontos positivos de se fazer um blockbuster, como gerar renda para os cinemas e empregos para "200 mil pessoas"

Redação Publicado em 23/10/2019, às 17h11

None
Bob Iger (Foto: Jordan Strauss / Invision / AP)

Bob Iger, CEO da Disney, defendeu a Marvel Studios das críticas feitas por Martin Scorsese e Francis Ford Coppola, as quais considerou "desrespeitosas". Recentemente, os diretores declararam que os filmes da franquia de super-heróis "não são cinema de verdade" e que são "desprezíveis".

Em entrevista ao Wall Street Journal, Iger disse que as críticas não respeitam o esforço dos funcionários que trabalham nas produções do estúdio. Ele ainda questionou um dos diretores: "Quando Francis usa essas palavras, 'esses filmes são desprezíveis', para quem ele está falando isso?"

+++ Leia Mais: Atores da Marvel respondem Scorsese sobre comentário de que filmes de super-heróis não são cinema

Ele ressalta que o mercado de distribuição de filmes é relativamente limitado e que são os filmes populares que geram o lucro necessário para os cinemas se sustentarem e exibirem produções menos comerciais.

"Quando esses cinemas exibem filmes, não apenas o nosso, porque também existem outros blockbusters por aí, eles se saem extremamente bem e ganham muito dinheiro [...] Isso, na verdade, dá a possibilidade de exibir outros filmes que talvez não sejam tão bem-sucedidos, mas com pessoas de diferentes lugares que querem vê-los", disse o CEO.

+++ Leia Mais: James Gunn rebate comentários de Francis Coppola sobre filmes da Marvel: "Nem todo mundo é capaz de apreciar"

Por fim, ele ressaltou que a produtora tem como objetivo criar histórias inspiradoras, mas que também proporcione lucro e empregos.

"Nós estamos em um ramo de fazer dinheiro, nós estamos em um negócio lucrativo. Ao mesmo tempo, na Disney, estamos tentando equilibrar isso contando grandes histórias para o mundo, o influenciando com grandes valores e apoiando uma base de funcionários de mais de 200 mil pessoas em todo o mundo, com muito cuidado e, francamente, respeito".