J-Hope fala sobre amadurecer no BTS, próxima mixtape e mais [ENTREVISTA]

"Queríamos fazer música que pudesse dar mais força às pessoas", diz J-Hope, na primeira entrevista da capa digital estrelando cada integrante do BTS

BRIAN HIATT | ROLLING STONE EUA Publicado em 29/06/2021, às 07h00

None
Capa J-Hope para a Rolling Stone EUA (Foto: Hong Jang Hyun para a Rolling Stone)

Um dos mais conhecidos fãs do BTS, o apresentador do Late Late Show, James Corden diz que o grupo está "em seu núcleo, uma força para bem". Com o sorriso com covinhas, jeito caloroso e uma presença de palco feroz, o rapper, dançarino, compositor e rapper de 27 anos, J-Hope, incorpora a imagem do grupo de gentileza fundamental e talento avassalador; até mesmo a escolha do nome artístico irradia positividade. Na primeira entrevista da Rolling Stone EUA com cada um dos sete integrantes do BTS, J-Hope relembrou os primeiros dias com o grupo, refletiu sobre o futuro musical e muito mais. Ele falou em uma sala de estúdio da sede da gravadora do grupo, HYBE’s Big Hit Music, em Seoul, enquanto vestia um casaco verde-oliva sobre uma camiseta branca. A energia dele era contida em comparação às entrevistas implacavelmente animadas na TV, mas o sorriso de alta voltagem nunca esteve longe.

[Em comemoração à capa mensal da Rolling Stone do BTS, capas individuais digitais com cada integrante da banda foram publicadas diariamente ao longo de uma semana no mês de maio]

+++LEIA MAIS: O triunfo do BTS [ENTREVISTA]


Você acordou e veio direto para cá ou teve a chance de fazer outra coisa nesta manhã? 

Fui ao banheiro! [risos]

+++LEIA MAIS: Jimin fala sobre perfeccionismo, saudade das ARMYs, amor pela dança e futuro do BTS [ENTREVISTA]

Então, o que você aprendeu sobre você ao longo desse ano pandêmico?

Foi uma oportunidade de aprender o quão preciosa eram as nossas vidas comuns. Tive que pensar em como minha vida deveria continuar e como eu deveria permanecer calmo e me concentrar nesses momentos. Foi um momento para refletir muito sobre mim.

+++LEIA MAIS: Jin do BTS fala sobre músicas 'estilo rock', vida fora da estrada e ser muito bonito [ENTREVISTA]

E o que você aprendeu dessa reflexão?

O aprendizado que tenho é precisar fazer o que faço melhor. O tempo passa e a vida flui, e nós apenas precisamos continuar fazendo música e apresentações. Apenas penso que eu preciso fazer música para ser um consolo e uma sensação de esperança para outras pessoas. Você sabe, nós somos apenas pessoas, como todo mundo. Então, nos sentimos do mesmo jeito que todo mundo sente. Queríamos fazer música e performances que outras pessoas possam ressoar com isso e [que possam] dar mais força às pessoas. 

+++LEIA MAIS: Jungkook, do BTS, fala sobre 'Dynamite', amar ARMYs, e aprendizado com Ariana Grande [ENTREVISTA]

O que você está me dizendo me lembra da mensagem de "Life Goes On", que é uma bela canção. 

Essa música veio de uma reflexão sobre o que podemos fazer durante esse período, durante a pandemia de Covid. É sobre histórias que podemos contar neste momento. Isso nos incentivou realmente a conversar entre os integrantes sobre como nos sentimos. Então, sinto ser uma canção muito importante. 

+++LEIA MAIS: Uma conversa profunda com RM, do BTS, sobre os primeiros anos do grupo, Drake e mais [ENTREVISTA]

Foto: Hong Jang Hyun para a Rolling Stone

Em algumas das suas letras, você revelou às vezes sentir uma tristeza por trás desse sorriso que todo mundo adora. Como você equilibra a positividade que você quer apresentar ao mundo com as emoções mais complexas que você pode experienciar na vida real?

As coisas são muito diferentes do que costumavam ser. Apenas tento mostrar quem realmente eu sou. Penso que isso é o mais confortável para mim. Todo mundo tem, você sabe, diferentes lados do que mostram. Certamente, eu tenho um fardo e uma pressão enquanto artista. Apenas aceito eles como são. Apenas tento me expressar do modo como vou superar essas dificuldades. 

Se eu expressar essas coisas, sinto que isso me traz uma sensação de consolo também. Nós temos sido comunicativos com nossos fãs desde que nos tornamos artistas, mas agora penso que isso se tornou mais natural e confortável. Antes, tentamos mostrar-lhes apenas nosso lado bom, nosso lado iluminado. Como meu nome é J-Hope, eu apenas tentava mostrar o lado bom do nosso grupo e o de mim mesmo. Mas, com o passar do tempo, não se pode sentir a mesma coisa para sempre, portanto, eu também sinto outras emoções. Tento expressar esses sentimentos pela música ou diálogo, para expressar de um jeito muito bonito. 

+++LEIA MAIS: Suga fala sobre como o BTS permanece ávido após conquistar o mundo [ENTREVISTA]

Uma dessas canções é "Outro: Ego". O que você estava pensando quando compôs essa canção?

É realmente uma auto-reflexão, uma reflexão sobre quem eu sou, meu ego, como o título sugere. É sobre a vida individual de Jung Ho-seok [nome verdadeiro de J-Hope] e a vida de J-Hope. E uma conclusão que tirei dessas reflexões internas é que eu acredito em mim e acredito em quem eu sou, e isso é a minha identidade. E, depois esses são os desafios que enfrentei e continuarei enfrentando esses desafios e farei novas coisas confiando em quem eu sou. 

+++LEIA MAIS: V, do BTS, fala sobre futura mixtape, amor por Poderoso Chefão e ser 'o integrante secreto' [ENTREVISTA]

Em 2018, você lançou a mixtape Hope World, que foi uma grande conquista artística. Quais são suas lembranças favoritas de trabalhar nela?

Você sabe, olhando para trás, penso que foi realmente puro, inocente e bonito que eu pudesse fazer uma música dessas naquela época. Quando trabalho em música atualmente, tenho a oportunidade de voltar para aquelas emoções e pensar: "Oh, aqueles eram os dias". Penso que isso foi realmente uma ótima influência para a música que eu trabalho atualmente. Através da mixtape, eu aprendi muito e penso que isso realmente formou a direção na qual eu queria seguir enquanto artista, enquanto músico. Sou realmente muito grato pelas pessoas amarem minha mixtape. Estou planejando continuar trabalhando na minha música e tentar mostrar às pessoas um [estilo de] música único para J-Hope

O que você pensa sobre uma segunda mixtape?

No momento, o objetivo é se inspirar e fazer música boa. Nada está decidido ainda, então vou continuar trabalhando na música. Penso que meu estilo de música não mudará muito, mas penso que será mais maduro. Vou tentar conter histórias que eu realmente quero contar em uma segunda mixtape.

Você acabou de lançar uma versão da música "Blue Side" do Hope World. Era uma coisa que você tinha o tempo todo ou você acabou de finalizá-la?

Não era uma versão completa naquela época, então sempre tive a ideia de voltar para essa canção para terminá-la. Sempre tive isso em mente. Foi há duas semanas ou um mês que finalmente pensei: "Oh, quero terminar essa música". Como contei antes, realmente penso sobre as emoções que senti ao trabalhar na mixtape.

Quando você começou como trainee, você não era um rapper. Obviamente, você percorreu um longo caminho e desenvolveu algumas importantes habilidades - como foi esse processo de aprendizagem?

Ainda penso ter alguns defeitos. Ainda penso ter um longo caminho a percorrer para aprender mais coisas. Tenho que encontrar meu próprio estilo. Mas acredito que só cheguei até aqui graças aos outros integrantes. Quando comecei a treinar, todos eram rappers daquele grupo. Então, quando você entra em casa, as batidas estão diminuindo e todos estão apenas fazendo rap freestyle. Não foi fácil me adaptar no início, mas realmente tentei me adaptar a esse novo ambiente. E penso que aqueles foram bons tempos. Tenho boas lembranças e foi muito divertido também.

Você era muito jovem quando começou como trainee. Como tem sido amadurecer no BTS?

Durante minha época como trainee, a vida estava longe de ser comum. Porque outros caras, meus amigos, fariam trabalhos escolares, iriam em viagens de campo e construiriam memórias como alunos. E é claro que escolhi essa carreira, meu próprio caminho, desistindo dessas coisas. Talvez eu pudesse me sentir infeliz por não ter experimentado essas coisas, mas estava indo atrás meus sonhos. E conhecer os integrantes durante nossos dias como trainees foi realmente incrível, porque é incrível que pessoas diferentes, que eram tão diferentes, pudessem se reunir para formar um grupo. E eu realmente quero agradecer a esses caras. Às vezes sinto realmente vontade de voltar àqueles dias.

O que você pensa quando você olha para os primeiros vídeos do BTS, quando vocês todos tinham quase uma imagem de 'durões'?

Quando lançamos "No More Dream", nossa música tinha essa ideia da batalha contra o preconceito e a opressão. Então, naturalmente, esses valores foram transferidos para o estilo e aspectos visuais do lançamento. Pode-se dizer que foi a nossa identidade e a imagem que também retratamos naquele momento. Mas não podemos viver para sempre em um estado estático. Conforme o tempo passa, as coisas mudam e as tendências mudam, assim como nossas tendências na música. Consideramos as influências ao nosso redor, incluindo, é claro, nosso público. Essas influências nos guiaram em direção à nossa própria mudança de estilo e conceitos musicais.

Todos vocês já disseram muitas vezes que, quando vocês se juntaram, tiveram conflitos porque vocês tinham experiências e valores diferentes. Quais foram algumas das principais diferenças que tornaram isso difícil no início?

Éramos realmente diferentes desde o início, então foi estranho. Demorou para me acostumar. Estávamos morando juntos, mas tínhamos que garantir que cada um de nós tivesse seus próprios espaços pessoais. Eventualmente, aprendemos a nos entender e, agora, fazemos isso há tanto tempo que temos esse tipo de harmonia e uma compreensão que nos permite ter o tipo de trabalho em equipe. Cada um de nós tem um diferente papel e fazemos coisas diferentes na música, então também tentamos ajudar uns aos outros no que estamos fazendo e tentamos nos ajudar a nos tornarmos melhores.


+++ MV BILL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL