Quem eram os heróis da guitarra para Eddie Van Halen - e quem o incentivava a tocar cada vez melhor

Em uma entrevista de 2011 nunca antes publicada, Eddie Van Halen olhou para algumas influências

Brian Hiatt, Rolling Stone EUA Publicado em 07/10/2020, às 12h59

None
Eddie Van Halen (Foto: Kevin Winter / Getty Images)

Em novembro de 2011, enquanto a Rolling Stone preparava uma lista dos maiores guitarristas de todos os tempos, Eddie Van Halen nos chamou para uma conversa solta. Na entrevista, Van Halen, que morreu de câncer em 6 de outubro de 2020, passou pela lista pessoal de heróis da guitarra (Eric Clapton era o número um), as origens do próprio estilo e muito mais. Aqui está aquela conversa completa pela primeira vez.

Você acordou cedo.
Eu sempre acordo cedo. Eu acordo entre 5 e 7 todas as manhãs e malho. Eu sou assim há um bom tempo.

Então você fez uma lista na noite passada.
Sim, bem, você sabe, eu tentei. Porque eu nunca entendi muito bem... em que isso se baseia? Porque eu pessoalmente nunca me classifiquei como guitarrista, ou qualquer outra pessoa. Para mim não são as Olimpíadas ou uma competição, entende o que quero dizer?

Deixe-me colocar deste jeito. Nos dias de Beethoven, Mozart, Tchaikovsky e Chopin, como você poderia classificá-los? Eles eram todos bons no que faziam, e você não poderia colocá-los em qualquer ordem.

+++LEIA MAIS: Os 9 solos mais incríveis de guitarra para lembrar de Eddie Van Halen

Eu ouço você cara, eu ouço você.
Então, eu nunca entendi nenhuma dessas pesquisas, ou quem é mais importante e isso ou aquilo. Mas se você quiser adotar essa abordagem, pelo menos da minha perspectiva, eu teria que começar com as pessoas que nos deram a guitarra elétrica, que são Les Paul e Leo Fender. Porque sem eles não teríamos guitarra para tocar. Les Paul, como tocava e foi inovador, eu diria que estaria no número um. Leo Fender não era necessariamente um músico, ele se cercou de músicos e criou uma guitarra elétrica. E então veio Eric Clapton, que está no topo da minha lista. O que me atraiu no jeito dele de tocar, estilo e vibração foi a simplicidade básica na abordagem e tom, o som dele.

Ele basicamente pegou uma guitarra Gibson e conectou direto em um Marshall e foi isso. O básico. O blues. Então, você sabe, o que eu acabei fazendo pessoalmente... eu não gosto de uma Les Paul ou Fender. Então eu fiz uma polinização cruzada dos dois - peguei as melhores partes de cada um e fiz meu próprio instrumento. E, basicamente, Clapton é o único que me influenciou. Na época do Cream. Quando o Cream acabou, eu meio que peguei a bola e corri meu próprio caminho com o que tinha aprendido.

Você se lembra quando encontrou pela primeira vez a música de Clapton? Você já ouviu alguma coisa pré-Cream naquele momento?
Na verdade, depois do Cream, eu voltei um pouco para as coisas do Bluesbreakers, mas meu material favorito era quando ele estava no Cream. O que foi apenas dois, três anos. Não foi um tempo muito longo, mas o que eu realmente gostei foram as coisas ao vivo, como "Wheels of Fire" e "Goodbye", "Cream" e coisas assim, porque então você realmente podia ouvir os três caras tocando no elemento próprio ao vivo.

+++LEIA MAIS: 50 anos sem Janis Joplin: os 7 maiores sucessos, e 7 músicas esquecidas que valem a pena ouvir [PLAYLIST]

E você literalmente desaceleraria esses registros e aprenderia cada detalhe.
Sim, eu pegaria o toca-discos e faria isso. Resumindo, é tudo baseado no blues... você tem três acordes que são mais agradáveis ​​ao ouvido e você tem 12 notas para trabalhar. É muito básico. Na época de Clapton, é claro que você tinha Jimmy Page, [Jimi] Hendrix, [Jeff] Beck e Townshend e todos esses caras... Pete Townshend foi uma influência como guitarrista rítmico. Nunca gostei muito de Hendrix. Acho que nunca comprei um disco dele. Ele era mais abstrato em sua abordagem.

Lembro-me de você dizer que, quando criança, você sentia que não sabia como reproduzir o que Hendrix estava fazendo com wah-wah e outros pedais.
Sim, exatamente. Por um lado, eu não podia pagar essa me***. Então, Clapton foi principalmente para mim.

Algumas pessoas dizem que não ouvem quando você toca. Eles não sabem dizer que você foi influenciado por Clapton.
Bem, depois do Cream ele mudou, sabe? Quando ele começou a fazer “I Shot the Sheriff” e isso e aquilo, e quando ele ficou com Delaney e Bonnie, todo o estilo dele mudou. Ou pelo menos o som dele. Acho que o principal fator foi, se você ouvir as coisas ao vivo - como, digamos, "I'm So Glad" em Goodbye, Cream - você ouve os três caras irem, e foram Jack Bruce e Ginger Baker que realmente fizeram Clapton soar muito bem. Porque eles eram dois caras do jazz empurrando-o. Acho que realmente li em algum lugar há muito tempo que Clapton disse: "Eu não sabia o que diabos eu estava fazendo." Ele estava apenas tentando acompanhar os outros dois caras.

Mas é engraçado, porque quando eu voltei aos dias de John Mayall Bluesbreakers, eu encontrei Peter Green, que na verdade é mais Clapton do que o próprio Clapton. Ele ficou um pouco mais suave e mais gostoso, sabe? Eu não sei o que aconteceu com ele...

+++LEIA MAIS: A capa da Rolling Stone com Eddie Van Halen - e Mike McCready, do Pearl Jam, explicando porque o elegeu como um dos maiores guitarristas de todos os tempos

Ele tinha alguns problemas de saúde mental.
Isso é o que eu ouço. Mas acho que somos todos um pouco malucos só de tocar guitarra elétrica. De qualquer forma, estou tendo dificuldade em preencher esta lista.

Pete Townshend, como tocador de ritmo, foram as tríades e o uso de tons de pedal que você pegou?
Era apenas o poder e intensidade e, novamente, simplicidade. Você sabe, nada era muito complicado. Tipo, ouça “My Generation” [canta o riff principal]. Mesmo as coisas posteriores em Who’s Next, é tudo muito baseado em power-chord.

Que tal Tony Iommi?
Ele era o pai do heavy metal em minha mente.

Ele o inspirou a se sintonizar?
Bem, isso era mais porque era mais fácil para o cantor. E, além disso, se você ouvir nosso primeiro lote de discos, nunca sintonizei nada. Nunca afinei um piano ou uma afinadora, então sempre pegava minha guitarra e o baixista me afinava. Então, estávamos sempre nas fendas [entre as teclas do piano]. Eu descobri que a maioria das coisas em que topei foram todos acidentes, sabe?

Há uma tonelada de músicas do Van Halen em que os solos são tão importantes quanto a melodia vocal - ou pelo menos onde você não consegue imaginar nada em seu lugar no disco. Há muitos solos seus que eu poderia cantarolar para você agora.
Bem, eu gostaria de pensar assim. Ele adiciona outro elemento melódico à música. Com a gente, tudo sempre começa com a música primeiro. Algumas pessoas começam com as letras, do jeito que Elton John pega as letras de Bernie Taupin e escreve músicas para elas, o que eu nunca fiz, porque as letras não falam música para mim. Sempre começamos com a música primeiro. [Canta o quinto de Beethoven.] Você sabe, que tipo de letra você colocaria sobre isso?

+++LEIA MAIS: Eddie Van Halen do início ao fim: do glamour dos anos 1980 à brava luta contra o câncer

Vamos falar sobre alguns outros guitarristas de que você gosta. Eu sei que você é fã de Steve Lukather.
Ele é um cara de estúdio. Ele começou tocando em discos de tantas pessoas que podia tocar qualquer estilo que você quisesse. Ele simplesmente me surpreende com o quão camaleão ele pode ser. Ele pode se jogar em qualquer situação e brilhar. É quase difícil dizer quem ele realmente é. Eu acho que provavelmente são todos eles, tudo a que ele já foi exposto é quem ele é. Ele é uma espécie de tocador de músico, músico de músico. Eu sou mais um guitarrista de rock and roll direto, abençoado por estar em uma banda de rock incrível.

De qual vibrato você gosta?
Há algo sobre Angus Young. É engraçado, li algo com ele recentemente onde ele disse que não se avalia como guitarrista, nem eu. Como você se classifica como guitarrista? Você apenas faz suas próprias coisas, e você é apenas parte de uma imagem maior.

Não quero dizer isso de uma maneira ruim, mas é quase como se o AC/DC tivesse uma música - mas é uma ótima música! É feito de forma brilhante. Novamente, é essa simplicidade que faz você bater a cabeça.

Talvez você possa falar um pouco mais sobre Tony Iommi e outras influências mais pesadas?
Com Tony, são os riffs e o poder da música. E você tem pessoas como Ritchie Blackmore [e] Leslie West. Leslie West tem esse tom incrível na montanha. E eu gostei de Ritchie Blackmore por causa da barra de vibrato usada em [1970] Deep Purple in Rock. Além disso, eles vêm com ótimos riffs. Quer dizer, qual é, “Smoke on the Water” é para os livros de história.

Você acha que a guitarra elétrica foi empurrada para além de você?
Vou colocar dessa forma. Quando eu cresci, vamos lá, você teve Cream, você teve Zeppelin, você teve Hendrix, você teve o Who, Deep Purple, Black Sabbath. Você teve tantas bandas que eram muito, muito diferentes. Simplesmente não parece ser assim hoje em dia. Todo mundo, para mim, parece o mesmo. Eu não quero soar como meu pai, como um pai, mas a música hoje em dia não é tão exclusiva para mim.

Seu filho lhe apresentou algo legal?
Eu realmente não ouço o que ele ouve, mas o que ele traz para a banda é uma energia muito jovem.

Jimmy Page, você gostava, certo?
Sim, gostei dele pelas canções. O único cara solo era Clapton para mim.

+++LEIA MAIS: A história do grunge em 15 discos, de acordo com a NME

Você disse que as manobras de Jimmy Page em "Heartbreaker" fizeram você pensar em tapping com as duas mãos.
Oh sim. Certo, bem, foi isso que me fez pensar em fazer hammer-ons, ou sejá lá como eles chamam. Eu não chamei de nada quando estava fazendo isso, apenas se tornou uma parte da minha forma de tocar. Agora eles chamam de hammer-ons, pull-offs, eu não sei o que é. Mas foi isso que me fez pensar em fazer meu dedo indicador direito como um sexto dedo na minha mão esquerda.

Mas esse é o limite de sua influência de Jimmy Page. Você saiu em seu próprio canto.
Sim, porque a maneira como toco não se parece em nada com Clapton, Beck, Page ou Hendrix.

Você ouviu muito Jeff Beck?
Eu não comecei a gostar dele até [álbum de jazz-fusion de 1975] Blow By Blow. Apenas a instrumentalidade disso. E [1976] Wired. Coisas interessantes aí. Eu acho que foi apenas a experimentação lá que eu gostei. Jeff Beck é definitivamente um autônomo. Você nunca sabe o que diabos ele vai fazer. Meu irmão e eu estávamos na França 20 anos atrás, e Jeff Beck estava tocando, e ele estava fazendo um rockabilly. E nós pensamos: "Que diabos é isso?" Você nunca sabe o que esperar dele.

+++LEIA MAIS: Por que as pessoas são tão obcecadas por Keanu Reeves? Jada Pinkett Smith, colega de Matrix, opina

Você ainda está empolgado com as guitarras em geral?
Oh sim, estou sempre mexendo com o meu. Eu sempre olho para as coisas e penso, "Eu gosto disso, não gosto daquilo", então eu mudo, por necessidade, do que eu quero que uma guitarra faça. O botão de volume e o botão de tom da minha guitarra são diferentes. Normalmente, eles são os mesmos na guitarra. Na minha guitarra, o botão de volume é muito fácil de girar, é um botão de volume de resistência muito baixa. Considerando que o botão de tom é muito difícil de girar, então onde quer que você o defina, ele permanece, para que você não o bata acidentalmente.

Você ainda está tentando aperfeiçoar seu tom.
Estou sempre brincando com pick-ups, tentando conseguir um som mais quente, suave e sustentável.

Vamos ouvir de você em breve?
Claro, é o que fazemos. Fazemos música para viver. Mas isso é uma outra entrevista.


+++ TERNO REI: ‘ANTES DE LANÇAR, VOCÊ NUNCA SABE SE É BOM OU RUIM’ | ROLLING STONE