Fantástica Fábrica de Chocolate: 6 histórias surpreendentes dos bastidores; cenário surpresa, xícara não comestível e mais [LISTA]

Lançado há 50 anos, Fantástica Fábrica de Chocolate ousou ao filmar um dos maiores clássicos do cinema, confira histórias dos bastidores

Beatriz Bim (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 08/10/2021, às 14h59 - Atualizado em 15/11/2021, às 19h00

None
Fantástica Fábrica de Chocolate, de 1971 (Foto: Reprodução)

O filme Fantástica Fábrica de Chocolate (1971), baseado no livro homônimo, publicado em 1964 por Roald Dahl, inspirou diversas gerações por mais de cinco décadas. A receita, que combinou o desempenho magnífico de Gene Wilde como Willy Wonka, cenários maravilhosos, números musicais, comédia excêntrica e crianças talentosas, resultou no clássico filme.

O longa retrata o enigmático fabricante de doces Willy Wonka ao elaborar um concurso para premiar crianças com estoque vitalício de guloseimas e uma tour pela Fábrica de Chocolate. Charlie Bucket (Peter Ostrum), com o avô Joe (Jack Albertson) e quatro crianças excêntricas: Veruca Salt (Julie Dawn Cole), Violet Beauregarde (Denise Nickerson), Mike Teevee (Paris Themmen) e Augustus Gloop (Michael Bollner) entram na fábrica, mas são obrigadas a resistirem às tentações do mundo de Wonka.

+++LEIA MAIS: A Fantástica Fábrica de Chocolate ganhará sequência pela Netflix, diz site

Para produzir um filme tão amado, o diretor Mel Stuart precisou ser criativo nas técnicas - e aprender a lidar com crianças desbravando o mundo da atuação. O roteirista, David Seltzer, também enfrentou desafios ao transformar o livro infantil em uma história encantadora para todas as idades.

Com objetos não comestíveis, participação de uma empresa alimentícia e atores não fluentes em inglês, listamos seis histórias surpreendentes dos bastidores de Fantástica Fábrica de Chocolate. Confira:

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Warner Bros. UK (@warnerbrosuk)


Mel Stuart escondeu informações dos atores

Reprodução: Warner

+++LEIA MAIS: 4 teorias de fãs sobre os maiores sucessos de Tim Burton [LISTA]

Um dos maiores desafios de trabalhar com criança é a falta de experiência. Isso afeta a atuação - pensando nisso, o diretor Mel Stuart optou por reações reais. Em vários momentos, o cineasta surpreendeu os atores para obter respostas espontâneas. Nas semanas antecedentes à sequência da Sala do Chocolate, Stuart esforçou-se para esconder o cenário gigantesco das crianças, de modo a capturar a reação exata ao conhecerem o local. O resultado foi fantástico.

Rusty Goffe, intérprete de um dos Oompa-Loompas, explicou em entrevista ao programa Hollywood the Write Way para comemorar os 40 anos do filme: “As crianças não fingiram surpresa. Os olhares alegres nos rostos delas, nesse momento, foram reações reais. Elas viam o set pela primeira vez.”

+++LEIA MAIS: Willy Wonka era um serial killer? Teoria indica que sim

Outras cenas inesperadas foram a escuridão do túnel e as interações com Wilder: a raiva do personagem não mostrada nos ensaios, as improvisadas cantigas assustadoras e a cambalhota de Wonka quando aparece pela primeira vez.


Quaker Oats financiou o filme para vender doces

Reprodução: Warner

+++LEIA MAIS: Taika Waititi e Netflix vão produzir animações de A Fantástica Fábrica de Chocolate, e prometem 'expandir o mundo e os personagens além das páginas do livro'

O livro de Roald Dahl não foi inspiração exclusiva para o filme. Segundo The Huffington Post, outra grande influência do longa surgiu devido ao interesse da empresa alimentícia Quaker Oats em entrar para o mercado de chocolates.

Ao descobrirem a adaptação para o cinema, a marca enxergou uma grande oportunidade. O filme seria útil para criar uma linha de chocolate e vendê-la com base na popularidade do lançamento. A empresa de aveia, extremamente confiante com a decisão, financiou o filme por US$ 3 milhões - equivalente à US$ 20 milhões em 2021.

+++LEIA MAIS: Wonka: Elenco, produção e tudo que sabemos sobre prequel de Fantástica Fábrica de Chocolate [LISTA]

Esse foi um dos motivos por não usarem o nome original do livro, Charlie e a Fábrica de Chocolate. A adição de “Willy Wonka” no título estadunidense foi para vincular a marca Wonka com o longa. Não deu certo - Quaker Oats não conseguiu acertar na receita para criar os chocolates perfeitos, e não lançou a marca no filme.


A xícara de flor de Willy Wonka não era comestível

Reprodução: Warner

+++LEIA MAIS: Flávio Bolsonaro é chamado de Willy Wonka após receber R$ 1,6 milhão por chocolates

Uma das cenas clássicas do filme é quando as crianças, de olhos arregalados, são apresentadas à Sala de Chocolate enquanto Willy Wonka canta a adorável canção “Pure Imagination.” Segundo o dono da fábrica, tudo no cenário é comestível e as crianças - e adultos - se deliciam com os objetos.

A realidade não era bem assim. Cerca de um terço dos itens açucarados eram consumíveis (e foram consumidos). Mas uma das guloseimas mais marcantes não entra nessa categoria: o copo em formato de flor de Willy Wonka. O objeto era, na verdade, feito de cera. Como Gene Wilder relatou à revista People, após tomar um gole do chocolate, morder o copo e mastigar, precisava cuspir o material para filmar as próximas cenas.

+++LEIA MAIS: Elenco de Fantástica Fábrica de Chocolate se reúne no aniversário de 44 anos do filme


Peter Ostrum, intérprete de Charlie Bucket, largou atuação para ser veterinário

Reprodução: Warner

Para Peter Ostrum, ser escalado como protagonista em Fantástica Fábrica de Chocolate foi como ganhar o Bilhete Dourado. Foi o primeiro trabalho do garoto - e o último. Peter não estrelou outro longa ou programa antes do filme clássico e, surpreendentemente, não seguiu a profissão depois.

+++LEIA MAIS: Morre o diretor de A Fantástica Fábrica de Chocolate

É seguro presumir: o jovem artista poderia construir uma carreira de ator após o sucesso em Fantástica Fábrica de Chocolate, mas Ostrum deixou o mundo do entretenimento e escolheu ser veterinário de animais de grande porte. Na verdade, apenas uma das crianças do clássico, Julie Dawn Cole, seguiu como atriz após o filme.


Alguns Oompa Loompas não falavam inglês

Reprodução: Warner

+++LEIA MAIS: Morre Gene Wilder, intérprete de Willy Wonka em Fantástica Fábrica de Chocolate

É difícil desvendar a localização da Fábrica de Chocolate de Wonka. Embora algumas crianças tenham origens específicas, seja nos Estados Unidos ou na Alemanha, o plano de fundo da pequena cidade de Charlie Bucket foi, intencionalmente, vago.

O diretor Mel Stuart desejava atribuir à narrativa uma "qualidade de livro de histórias", com localização universal. As filmagens ocorreram na Alemanha, principalmente em Munique, pelo valor na cidade ser menor comparado aos Estados Unidos.

+++LEIA MAIS: A Fantástica Fábrica de Chocolates, Matilda e outros clássicos de Roald Dahl ganharão série de animação

Devido à dificuldade de encontrar atores para interpretar os Oompa Loompas, a produção escalou profissionais da Inglaterra, Alemanha, Malta e Turquia. Alguns Oompa Loompas não eram fluentes em inglês e não conseguiam aprender as letras das músicas.

Nas cenas musicais, é possível reparar como parte dos atores não pronunciam algumas palavras ou como algumas falas não estão sincronizadas com os lábios dos profissionais. Para Mel, isso não era um problema. Apesar das músicas serem filmadas em inúmeras tomadas, o resultado valeu a pena.

+++LEIA MAIS: The Rock revela que poderia ter sido Willy Wonka no lugar de Johnny Depp em A Fantástica Fábrica de Chocolate


Roteirista reescreveu a fala final no último minuto

Reprodução Warner

Quem elaborou a história original foi Roald Dahl, mas David Seltzer reescreveu grande parte. No livro, a trama encerra com Willy Wonka, Charlie e o avô Joe no elevador de vidro em alta velocidade. A narrativa termina com Joe gritando: "Yippee!". Mas o diretor, Mel Stuart, odiava a cena, e decidiu reformulá-la no último minuto das filmagens.

+++LEIA MAIS: Coldplay canta trecho de “Pure Imagination” em tributo a Gene Wilder

Mel ligou para Seltzer, fora do país, para reclamar da cena, mas o roteirista tinha uma explicação: o livro terminava assim. O diretor ficou indignado: “Você está brincando comigo? Todo esse trabalho para realizar o filme, todo o dinheiro investido, o talento, os números musicais, as coreografias, os Oompa-Loompas… E termina com a palavra, ‘Yippee’?,” como explicou o roteirista à rádio norte-americana NPR.

Em apenas 90 segundos, David pensou em outra finalização e sugeriu, ainda no telefone, para o colega: “Estão no elevador de vidro olhando o chão desaparecer. Willy Wonka anuncia a Charlie: a Fábrica de Chocolate é dele, e continua: ‘Mas Charlie, não esqueça do que aconteceu com o garoto que conseguiu tudo que queria. Charlie, com a expressão assustada responde: ‘O que aconteceu?’ E Willy diz: ‘Ele viveu feliz para sempre.’” Após uma longa pausa - para desespero do roteirista - Mel disse: “Fantástico!”