5 fatos de Branca de Neve que a Disney nunca mostrou: canibalismo, morte e sufocamento

A versão da Disney modificou passagens sombrias do conto original

Redação Publicado em 18/03/2020, às 08h47

None
Cenas do filme Branca de Neve e os Sete Anões (1937), da Disney (Foto: Reprodução)

Branca de Neve e os Sete Anões, clássico conto de fadas da Disney, lançado em 1937, marca o primeiro longa-metragem de animação do estúdio. Baseada na história do conto alemão da Branca de Neve, escrito pelos Irmãos Grimm, a história precisou ser adaptada para chegar ao público, e algumas partes obscuras foram totalmente retiradas da história. 

Entre as mudanças mais assustadoras estão as tentativas de assassinato da Rainha Má e a morte a vilã é morta no final da história. Até mesmo o beijo salvador do Príncipe não aconteceu como o filme mostra. As informações são do site ScreenRant

+++ LEIA MAIS: 7 castelos da Disney que existem no mundo real - e onde encontrá-los

Canibalismo

No conto dos Irmãos Grimm, a Rainha Má encomenda a morte da Branca de Neve ao caçador. Como prova do assassinato, o serviçal deveria levar os pulmões e fígado da jovem para a Rainha. O caçador tem piedade de Branca de Neve e, na tentativa de enganar a vilã, leva os órgãos de um urso selvagem. A Rainhá Má come os pulmões e fígado do animal, acreditando que eram da vítima. No filme, ela pede o coração da jovem e recebe, no lugar, o coração de um porco.


Sufocamento

Na primeira tentativa de acabar com Branca de Neve com as próprias mãos, a Rainha Má usa o disfarce de vendedor de mercadorias. Ela oferece um corpete cheio de laços de seda para Branca de Neve. Quando a jovem aceita, a Rainha Má aperta a peça de roupa o suficiente para matá-la por sufocamento. Branca de Neve chega a desmaiar, mas é salva pelos Sete Anões.

+++ LEIA MAIS: 7 fatos realmente divertidos sobre os filmes da Pixar: Dublagem, adaptações e easter eggs


Longo sono profundo

A adaptação da Disney parece ter deixado o sono profundo mais sombrio. Quando Branca de Neve come a maçã envenenada e parece morrer, os Sete Anões a colocam no caixão de vidro e cuidam do corpo por um ano inteiro. Estranhamente, a princesa não sufoca e não sofre decomposição no período. No livro, o sono dura apenas três dias. 


Despertar acidental

Branca de Neve realmente é salva pelo Príncipe no conto, mas de forma menos romântica. No filme, apenas o beijo de amor verdadeiro poderia acordá-la. Já na história dos Grimm, o Príncipe deseja enterrá-la de maneira apropriada e Branca de Neve acorda após o deslocamento - completamente acidental - da maçã envenenada da garganta. 

+++ LEIA MAIS: Antes do coronavírus, Disneylândia só fechou três vezes: conheça os motivos


Tortura e morte

Após tantas maldades, a Rainha Má morre nas duas versões. No filme da Disney, porém, a morte é rápida e acidental, e a vilã cai de um precipício atingido por um raio. O fim da megera é mais violento no conto e acontece depois do casamento de Branca de Neve com o Príncipe, o responsável pelo plano para torturar e matar a inimiga da amada. Como forma de vingança, a Rainha Má é forçada a dançar em chinelos de ferro em brasa até cair morta.


+++ GUNS N' ROSES: 11 FATOS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A BANDA