O que as reviews dizem de Ordinary Man, de Ozzy Osbourne: ‘Depoimento final’ e 'nada comum’

O primeiro lançamento solo em dez anos do Príncipe das Trevas chegou às plataformas digitais nesta sexta, 21

Redação Publicado em 21/02/2020, às 11h58

None
Capa do disco Ordinary Man, de Ozzy Osbourne (Foto: Reprodução)

2019 não foi ano fácil para o Ozzy Osbourne. O ex-vocalista do Black Sabbath enfrentou vários problemas de saúde: uma pneumonia, uma queda inoportuna e o diagnóstico de Mal de Parkinson, que fez com que a turnê norte-americana de 2020 fosse cancelada. Paralelamente a tudo isso, surgiu a produção do 12º disco de estúdio, Ordinary Man, lançado nesta sexta, 21. 

+++ LEIA MAIS: Quem é Ozzy Osbourne? Fãs de Post Malone não conheciam o Príncipe das Trevas e viram meme

Criado em poucos dias com uma banda principal: Duff McKagan (baixista do Gun's N'Roses), Chad Smith (baterista do Red Hot Chilli Peppers) e Andrew Watt (produtor de discos de rap como Invasion of Privacy de Cardi B), Ordinary Man tem participações especiais de Elton John, Slash (guitarrista do Guns N'Roses) e Post Malone - com quem já havia contribuído na faixa "Take What You Want" para o terceiro disco de estúdio do rapper, Hollywood's Bleeding

+++ LEIA MAIS: Zakk Wylde participará da turnê de Ozzy Osbourne em 2020

Sendo assim, o primeiro lançamento solo em dez anos do Príncipe das Trevas que "viveu mais vidas que um gato", era um dos mais esperados do ano pelos fãs e também pela crítica. 

Ao observar as composições mais pessoais e vulneráveis com reflexões sobre a própria mortalidade, o The Guardian questionou se o disco seria "a declaração final" do artista.

Para a NME, Ozzy Osbourne "não é mórbido. É macabro - obcecado com a morte, o horror, caveiras, sangue - mas sempre foi muito apaixonado pela própria vida" e ressalta que o novo registro é "inegavelmente emocionante" ao fazer alusão aos amigos do músico que já morreram enquanto ele continua vivo. "Todos os meus amigos estão me esperando", canta em "It's a Raid". 

+++ LEIA MAIS: 2020 terá o renascimento do rock? O que esperar dos discos de Ozzy Osbourne, Pearl Jam e The Strokes

A publicação também destacou o quão sonoramente Ozzy parece "rejuvenescido" quando retorna ao lado do titã do trap, Travis Scott, em "Take What You Want" - que está incluída no disco - combinado a um coral gospel e um solo de guitarra dos anos 1990. 

"A faixa sinaliza seu desejo duradouro pela vida e vontade de experimentar coisas novas", pontuam. Segundo a NME, Ordinary Man não será o último disco de Ozzy, mas que ele "já fez mais pela música e pela cultura popular do que qualquer um". 

Para o LouderSound, depois do conturbado ano era possível esperar que Osbourne aparecesse "exausto" em Ordinary Man. Porém, "as 11 músicas são cheias de propósito". 

+++ LEIA MAIS: Ozzy Osbourne lança filtro de Instagram que coloca morcegos na boca; veja como usar

"Todas as funções corporais podem ser afetadas por esse álbum visceral e emocionalmente nu", acrescentam. 

Enquanto o The Times UK reforçou que "a voz de Ozzy ainda soa bem aos 71 anos, e ocasionalmente, ele recupera o poder fantástico que remonta à gloriosa era dourada do Black Sabbath", enquanto "o dueto com Elton John é um verdadeiro momento de lágrimas liderado por pelo som de um piano e uma cortina se fechando". 

Ordinary Man está disponível em todas as plataformas digitais. 


+++ SESSION ROLLING STONE: RUBEL TOCA MANTRA