Review: Hardcore melódico de Neck Deep diverte, mas não vai muito além de 2005 em All Distortions Are Intentional

Um Green Day aguado, ou um blink-182 wannabe? Quarto disco da banda britânica vai na contramão da surpresa

Yolanda Reis Publicado em 28/07/2020, às 07h00

None
Neck Deep lança All Distortions Are Intentional (Foto de cortesia à imprensa)

“Sonderland”, faixa de abertura do disco All Distortions Are Intentional faz você pensar em músicas do passado. Se não souber quem toca, talvez se pergunte: “É Good Charlotte? Ou Blink-182? All Time Low? The Maine? Sum 41, You Me At Six, Jimmy Eat World, +44...?” (ou insira, aqui, o nome de qualquer banda pop-punk/hardcore melódico do início dos anos 2000). Mas nada disso: é Neck Deep.

A banda britânica alcançou 10 anos de carreira. All Distortions Are Intentional, quarto disco do Neck Deep, mostrou uma coletânea de 12 faixas bastante animadas. É provável que te faça dançar do começo ao fim, e querer ouvir tudo de novo naquele dia descontraído para poder arrumar a casa. Mas deve parar por aí, pois não tem muito mais a acrescentar, nem a refletir.

+++ LEIA MAIS: Calm, do 5SOS, tem a missão de trazer guitarras de volta ao pop - e construir a identidade geracional da banda [REVIEW]

Neck Deep, em All Distortions, endossa um boato de alguns anos: o pop-punk não quer crescer. A música é só um reflexo de juventude, sem muita profundidade a ser explorada. Os integrantes da banda, mesmo estando mais perto dos 30 do que dos 20, agem como adolescentes despreocupados… E nem tentam esconder isso, como escancara o verso “Não, não quero falar de política / nem de contradições nas ciências sociais” - uma resposta àqueles que cobravam um pouco mais de conteúdo neste trabalho.

O verdadeiro problema, porém, não é nem a juventude aparentemente eterna - e sim a falta de originalidade ao apresentar tudo isso. Parece somente que uma inteligência artificial deglutiu a discografia dos principais nomes do estilo e cuspiu umas faixas sem muita personalidade. O disco é brando o suficiente para fazer Neck Deep - seguidor fiel do pop-punk - perder a própria individualidade e diferencial, que trabalharam pouco a pouco (e muito bem) na última década e em três álbuns.

+++ LEIA MAIS: Político, desorientado e expansivo: The 1975 não busca o padrão, mas a excentricidade em Notes On A Conditional Form [REVIEW]

A música, então, não é nada além da fórmula que não saía dos rádios até 2006. Novamente, a primeira vista, todas elas poderiam estar em No Pads, No Helmets...Just Balls(Simple Plan, 2002) ou Take Off Your Pants and Jacket (blink-182, 2001). Talvez tivessem a influência de So Wrong, It’s Right (All Time Low, 2007). Mas as guitarras repetitivas, o baixo perdido e a bateria quadrada parecem não sair muito dessa bolha diminuta de tempo.

As letras, porém, são o que desanimam. A música te faz dançar, mas a (falta de) mensagem, não. Os assuntos são os mesmos que sempre vemos no pop-punk: depressão, desânimo, ser alguém meio inútil. Totalmente emo(cional). Mas, enquanto bandas como Green Day, My Chemical Romance ou New Found Glory conseguem fazer uma reflexão em cima de todo o sentimento, Neck Deep faz tudo soar como um cover aguado. Um clichê insosso e raso de uma expectativa de estilo.

+++ LEIA MAIS: Em ‘Chromatica’, Lady Gaga retoma às pistas de dança em momento mais isolado da história [REVIEW]

Não acredita? É só ver como é fácil entender os motivos por trás das letras de “When You Know” ("Faça as pazes com seus demônios e espere que ele te deixem / e faça as pazes com seus sentimentos / admite que tem motivo para você não desistir / podíamos cair no nada braços abertos como se fossemos infinitos / não têm nada a perder / quanto tem chorado a noite toda”) ou “Sick Joke” (“Não me acorde / é o melhor que me sinto em semanas / e sendo honesto / prefiro estar mais feliz, vivo ou dormindo”). Ideias profundas, sim - mas com letras pouco criativas.

Em meio a tudo isso, porém, fica claro que Neck Deep podia ter tentado um pouco mais… Apenas se o disco seguisse a linha de “Quarry” (uma música curta, de pouco mais de um minuto, mas bem trabalhada eletronicamente e com uma “carinha” própria); ou mesmo o interlúdio do refrão de “Sick Joke; essas, pelo menos, não soam como mais ninguém. Resgatam um pouco da diversão anterior da banda - e o twist mais moderno do pop-punk, com elementos que você encontraria no rap, no novo pop-à-Eilish, ou na mistura dos dois de Post Malone.

+++ LEIA MAIS: REVIEW: The Who aposta em "rock comfort food" em novo disco e não arrisca, mas jornada deve agradar aos fãs de longa data

Para os fãs de pop-punk (ou do Neck Deep), porém, All Distortions Are Intentionalé um disco divertido, e, o grupo, uma ótima “nova” banda do estilo.

O disco não é, de fato, muito profundo. Mas quem disse que deveria ser? Nenhum dos integrantes do grupo parece se importar muito com isso - ou com as opiniões de ninguém - como grita a letra de “Lowlife”: “Sou jovem e idiota / estou à toa / Vou te ignorar, o Rei das Manhãs / Entediante para c****** / E daí? E daí? / Sou um marginal / Vivendo de boa / Te vejo no inferno, Sr. Morto por Dentro”. Então, a mensagem soa clara: é isso aí. Tudo é intencional. Quer ouvir? À vontade. Se não… "E daí?"

+++ LEIA MAIS: Os 11 melhores discos de pop-punk dos anos 2000, segundo radialistas

All Distortions Are Intentional, quarto disco do Neck Deep, foi lançado em 24 de julho de 2020 pela Hopeless Records. As músicas estão disponíveis em formatos físicos (CD, fita K7 e vinis diferenciados e estilizados), vendidos no site oficial, e digital - compra, streaming, YouTube. São, ao todo, 12 faixas.

+++ PLAYLIST COM CLÁSSICOS DO ROCK PARA QUEM AMA TRILHAS SOBRE DUAS RODAS