Pulse

Rocketman: Rússia proíbe cenas de sexo por propaganda homossexual

Lei imposta por Putin em 2004 proíbe demonstrações públicas de afeto por casais do mesmo sexo

Redação Publicado em 31/05/2019, às 18h13

None
Taron Egerton como Elton John em Rocketman (Foto:Reprodução)

Rocketman, novo longa sobre a vida de Elton John, foi lançado na Rússia com quase cinco minutos de cenas cortadas. Segundo o The Guardian, o filme foi editado e todas as cenas que mostram a orientação sexual do astro - declaradamente gay - foram cortadas.

Anton Dolin, um dos maiores críticos russos de cinema, lamentou os cortes em suas redes sociais. “Todas as cenas com beijos, sexo ou sexo oral entre homens foram cortadas… A parte mais terrível é que eles removeram os dizeres do fim do filme. Sinto muito, Sir John”, escreveu, referindo-se à cena que conta que o músico é casado com David Furnish e eles têm dois filhos.

A censura ocorreu baseada na lei imposta por Vladimir Putin, presidente da Rússia, em 2004. A legislação proíbe a “propaganda gay”. Demonstrações de afeto de casais homossexuais são proibidas em ambientes públicos e em produções audiovisuais, pois as autoridades do país acreditam que isso influencia menores de idade a também serem gays, além de argumentarem que isso pode ser ofensivo à famílias tradicionais.

Por enquanto, o resto do mundo exibe a versão completa de Rocketman. As cenas de sexo e drogas foram mantidas por insistência do próprio Elton John. "Alguns estúdios queriam diminuir a quantia de sexo e drogas no filme, para ter uma indicação de 'maiores de 13' [no Brasil, seria para maiores de 12 ou 14]. Mas eu não vivi uma vida que se encaixa nisso. Eu não queria um filme cheio de drogas e sexo, mas ao mesmo tempo, todo mundo sabe que eu aproveitei bastante essas duas coisas durante os anos 1970 e 1980, então não faria sentido um filme que me mostrasse indo quietinho para o quarto do hotel depois de um show, apenas com um copo de leite quente e uma bíblia”, disse ao The Guardian.

O artista é bem popular na Rússia, e se apresenta por lá desde 1979, quando a nação ainda era parte da União Soviética. "Elton John é uma pessoa e um músico incrível. Milhões de nossos compatriotas o amam sinceramente, apesar de sua orientação", disse Putin em 2014.